<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12023629\x26blogName\x3dPharm%C3%A1cia+de+Servi%C3%A7o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://pharmaciadeservico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://pharmaciadeservico.blogspot.com/\x26vt\x3d5339164314434841800', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Pharmácia de Serviço

Há remédio para tudo ... pharmaciadeservico_at_gmail.com

O "dever" acima de tudo ...

quarta-feira, 31 de maio de 2006
O Estado português foi considerado o pior entre 22 países europeus no que diz respeito à regularização de dívidas contraídas, num estudo da Intrum Justitia apresentado terça-feira em Bruxelas.

Os pesos das duas medidas ... ou as medidas dos dois pesos ...

  • Peso 1:

Os professores portugueses em Timor-Leste que queiram regressar a Portugal não terão quaisquer prejuízos contratuais, continuando a receber o vencimento até ao final do ano lectivo, assegurou hoje à agência Lusa o adjunto da ministra da Educação.

Contactado pela Lusa, António Ramos André explicou que o Governo português «manterá as suas obrigações contratuais» com estes docentes, uma vez que «o ano lectivo está interrompido há várias semanas por contingências que não são da responsabilidade dos professores, já não podendo ser retomado em tempo útil».

«Se [os professores] tiverem de voltar, o contrato manter-se-á em vigor até ao final do ano lectivo. Juridicamente, é isso que é correcto, legal e justo», afirmou.



  • Peso 2:

Rui Teixeira, o juiz do processo «Casa Pia», que se encontrava há dois meses a trabalhar em Timor, regressou este sábado a Portugal. Na origem deste regresso antecipado está, de acordo com informações recolhidas pelo PortugalDiário, o facto de o Ministério da Justiça não lhe ter pago os vencimentos durante o tempo em que exerceu funções naquele território.


Dos quatro magistrados judiciais portugueses destacados em comissão de serviço em Timor, Rui Teixeira foi o único a quem o Ministério da Justiça não pagou o vencimento.

Agastado com a situação, o juiz, que ficou conhecido devido à intervenção no processo «Casa Pia», interrogou o Ministério da Justiça (MJ) sobre o não pagamento dos vencimentos, tendo-lhe aquele respondido que se limitava a assegurar-lhe o lugar no Tribunal de Torres Vedras, quando decidisse regressar.

Não é possível dar nenhum "conselho" Económico e Social ...

O Conselho Económico e Social (CES) considera impossível pronunciar-se sobre a viabilidade das medidas apresentadas pelo Governo nas Grandes Opções do Plano (GOP), no seu anteprojecto de parecer, a que a Lusa teve acesso.

A “inexistência de informações e dados financeiros” do documento faz o autor do anteprojecto, o economista João Ferreira do Amaral, considerar que “não é possível ao CES pronunciar-se sobre a viabilidade das medidas apresentadas pelo Governo”.

Dois pesos e duas medidas ...


Mais uma vez, a (má) educação ...

terça-feira, 30 de maio de 2006
A Prof. Maria de Fátima Bonifácio acaba de dizer na RTP1 aquilo que qualquer pessoa de bom senso diria a respeito do nosso "sistema" de ensino:

1. Que é absolutamente necessário reforçar drásticamente e tornar expedito o poder sancionatório e disciplinar dos professores e da escola sobre os alunos - sob pena de se perder, por completo, "a mão";

2. Que a proposta de avaliação dos professores pelos pais dos alunos vai ser a última machadada na já pouca autoridade dos professores, que ficam nas mãos dos alunos, por via dos pais, no que toca ao seu futuro profissional.

3. Que a grande maioria dos pais dos alunos são uns completos analfabetos, incapazes de avaliar o que quer que seja. Que conhecimentos lhes reconhece o ministério da educação para os pôr a avaliar os professores?

Quem quer, vai, quem não quer, fica ...


A direcção parlamentar socialista desloca-se à Madeira de domingo a terça-feira para debater com o PS regional, entre outros assuntos, a aplicação do regime de incompatibilidades aos deputados madeirenses.

O vice-presidente do grupo parlamentar socialista José Junqueiro disse que viajarão para a Madeira o líder da bancada do PS, Alberto Martins, e "todos os membros da direcção da bancada que puderem ir".

Ou seja, não há nenhum critério nem para determinar a dimensão da delegação nem para escolha dos elementos que a hão-de integrar - quem quiser ir à Madeira (à nossa custa) vai... quem não quiser, fica ...

O que parece importar ao grupo parlamentar do PS - a dita "maioria" - é simplesmente, a propósito da aplicação do regime de incompatibilidades aos deputados madeirenses, mostrar que "não tem medo" de Alberto João Jardim ...

E então aí, quantos mais, melhor ...

A insuflação




Devia ser nestes utensílios que o Presidente da República, Cavaco Silva, estava a pensar quando defendeu hoje a necessidade de "insuflar um novo espírito de solidariedade" na sociedade portuguesa.

Mini, mini, mini ... !!!

O actual director nacional da Polícia Judiciária, explanou "expressamente" o seu entendimento do que deve ser a investigação criminal, declarando que é «um crítico dos mega-processos».

Ao que parece, o senhor director nacional da PJ - decerto que contando já com a "colaboração" do governo, através da recém aprovada Lei Quadro da Política Criminal - é, então, adepto dos "mini-processos", com "mini-investigações", visando só "mini-arguidos".

"O trabalho do menino é pouco, mas quem o despreza é louco"

O Expresso do passado fim-de-semana, noticiou e fotografou duas crianças portuguesas a coser sapatos da marca ZARA.

Não se sabe se a notícia se destinava a "entalar" a ZARA, se a dar público conhecimento do facto.

Se o que estava em causa era a primeira das hipóteses, falhou o intento.
A ZARA, prevenida, sincera ou farisaicamente logo declarou que vai auditar a empresa portuguesa fornecedora dos sapatos, no sentido de verificar se ela cumpre (ou não) um dito “Código de Conduta” que a Inditex (proprietária da marca ZARA) obriga os seus fornecedores a seguir no que toca a trabalho infantil.

E das duas uma:
Se se confirmar que as crianças "trabalham" a ajudar os pais a coser sapatos para essa empresa pelos tais 40 cêntimos de Euro por par de sapatos cosidos – sustento para o seu “pão” – a ZARA/Inditex deverá cessar relações contratuais com essa empresa.
A empresa deixará de fornecer a ZARA e aquelas crianças deixarão de receber 40 cêntimos por par de sapatos – o que poderá muito bem representar aquilo que lhes permitia comer um pouco melhor ou, simplesmente, comer...

Se a Inditex não “confirmar” a violação ao dito “código de conduta”, tudo continuará na mesma … a menos que a Inspecção Geral do Trabalho ou o Instituto para o Desenvolvimento e Inspecção das Condições de Trabalho venham inspeccionar …

Na revista Única, porém, ressalta que os pais das ditas crianças estão desempregados e em situação precária – sendo que a cosedura dos sapatos constitui uma fonte de rendimento essencial para a sua sobrevivência.

É, na verdade, um dilema inultrapassável: nestas situações de miséria extrema – existentes porque um estado social “prometedor”, mas perdulário e desarticulado, não conseguiu dar uma resposta capaz – deverão as crianças não ajudar os pais e assim passar um pouco mais de fome ou ajudar os pais e não ter tempo para brincar?

Em qualquer caso serão sempre, as crianças, a sofrer as consequências da incapacidade do Estado em “solucionar” a situação dos seus pais e/ou proporcionar-lhes, a elas, um presente mais risonho …

E nós cá, também podemos fazer o mesmo a "iberistas" ...???

segunda-feira, 29 de maio de 2006
Israel deu 30 dias a um ministro e três deputados palestinianos do Hamas residentes em Jerusalém para se demitirem, sob pena de lhes ser retirada a autorização de residência e ordenada a sua expulsão para os territórios palestinianos.

"Disse-lhes 'demitam-se ou deixarão de ser (autorizados a viver) entre nós. Têm 30 dias para tomar uma decisão'", declarou o ministro do Interior israelita, Roni Bar-On, do partido centrista Kadima, à segunda cadeia da televisão israelita.

Mais um exercício de "quadratura do círculo" ...

Devem ser os pais destes meninos que certamente vão "avaliar" os seus professores ...

Para além dos alunos, professores e funcionários também não escapam aos actos de vandalismo. "Há uns dias um rapaz pôs fogo a um caixote no refeitório e o auxiliar acabou por levar uma bofetada", conta.

Fonte da escola diz estar convencida que este fenómeno tem como origem crianças que "provêm de ambientes desestruturados, que não estão habituadas a regras".

No início do ano lectivo, "um grupo de 20 ou 30 alunos derrubou o porteiro, entrou à força na escola e agrediu a funcionária".

"afectações"

A afirmação do ministro das finanças de que o corte da despesa pública vai afectar 570 mil funcionários e que terá custos sociais não pode significar outra coisa, pela dimensão do número dos afectados - 570 mil, ou seja grande parte, se não todos os funcionários públicos - que o governo se prepara para "cortar" no estauto remuneratório dos funcionários públicos, baixando vencimentos e outras retribuições.

Posto de observação

...

Vem isto a propósito das recentes "Linhas Estratégicas de Reforma" [da Segurança Social]. O diagnóstico não acrescenta nada de novo. O mesmo não se aplica a duas das medidas enunciadas: a introdução de um factor de sustentabilidade no cálculo do valor da pensão e o aumento da taxa contributiva para os beneficiários sem filhos. Diferentes razões permitem afirmar que entrámos no campo do delírio (não excluindo incompetência ou má-fé).

...

É neste ambiente que começam a surgir "princípios teóricos" como o de abolir o 13.º mês para os pensionistas. Cuidado: não faltará muito para a eliminação "teórica" de todas as medidas introduzidas após 1974 por não ter sido acautelada a sua sustentabilidade.

...

Afinal, o Governo não é reformista, mas apenas um conjunto de mentes delirantes.

Manuela Arcanjo
Professora no ISEG
hoje, no DN

Avaliações ...

Depois da proposta do Ministério da Educação de que os pais passem a participar na avaliação do desempenho dos professores dos filhos, necessária para a progressão na carreira dos docentes, já só falta o ministro da justiça vir propor que, para efeito de promoção, os magistrados passem a ser avaliados por todos aqueles que com eles imedeiam por causa da aplicação da justiça: réus, arguidos e condenados, testemunhas, autores, asssistentes, demandantes e demandados, sem esquecer os funcionários judiciais.

Aliás, nesta mesma linha, o governo, sempre que surja um "desempenho" avaliável numa das actividade desempenhados por aqueles que o governo designa por "priviligiados", deve propor que a avaliação seja feita por quem, sendo ou não um completo ignaro, possa ter contra o avaliado ou a sua actividade, qualquer reserva ou ressentimento, de modo a que a avaliação possa transformar-se numa retaliação ou vingança, assim conseguindo "adesão e legitimação popular" aos seus propósitos persecutórios.

Por exemplo: os detidos avaliarem os polícias que os detiveram ...

Os sonhos e o acordar

Os sonhos são assim: tudo muito bonito, mas só durante o sonho.
Quando acordamos, lá estamos nós neste mundo horrível e mauzão ...!!!

Vem isto a propósito do facto de, depois de muitos sonhos, lá termos ficado pelo caminho, no Europeu de sub-21.

E como vivemos mesmo num "mundo" com muito pouca qualidade, já estamos a assistir às primeiras "lavadelas" de "roupa suja" ...
Somos completamente incorrigíveis: adoramos "rebolar-nos" na maledicência de alcoviteira ...

A ingerência da crítica à ingerência

sábado, 27 de maio de 2006
A Freitas do Amaral deu-lhe para criticar declarações do primeiro ministro australiano - que afirmou existir "um problema significativo de governação" em Timor-Leste - dizendo que considera essas declarações «uma ingerência nos assuntos internos de Timor-Leste» e que, pela sua parte, discorda «desse tipo de declarações por parte de países estrangeiros».

Porém Freitas do Amaral esqueceu-se de (auto) questionar se a critica à ingerência não é, também ela, uma ingerência em assuntos que só a Timor e ao seu governo dizem respeito?

Entretanto , o ministro dos Negócios Estrangeiros australiano, Alexander Downer, veio dizer que apesar da presença de tropas australianas em Timor-Leste o seu Governo vai manter-se à margem da política interna timorense.

Perante este novo facto, Freitas, funcionando como comentador de política internacional, já "reagiu", congratulando-se com o "carácter positivo das declarações" do seu homólogo australiano, "no bom sentido de não interferência dos países estrangeiros na política interna de Timor-Leste".

Então agora Freitas também é MNE do governo timorense?
Ou será que anda a "pôr-se a jeito" para levar, não tarda, uma "rabecada" de Camberra?

A preparação do acordo: farmacêuticos para um lado, farmácias para outro ...

I - A Ordem dos Farmacêuticos manifestou-se hoje «perplexa» com as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro para as farmácias e advertiu que a liberalização da propriedade daqueles estabelecimentos pode provocar «concentrações económicas nefastas».


Em comunicado divulgado hoje, a Ordem dos Farmacêuticos frisa ainda que «não pode deixar de protestar veementemente pela opção do Governo em negociar com os representantes económicos, ao invés de discutir matérias de interesse público com a representação da profissão farmacêutica», aludindo ao acordo a assinar hoje à tarde.


II- No momento da assinatura deste acordo com o ministro da Saúde, o presidente da ANF apresentava-se resignado. João Cordeiro não concorda com a medida, mas respeita a decisão do Governo de liberalizar a propriedade das farmácias.

A ANF sublinha que depois de uma longa e complexa negociação com o próprio primeiro-ministro e com o ministro da Saúde só podia aceitar a responsabilidade que tem no sector e colaborar com o Governo.

«O acordo não era aquele que queríamos, fomos críticos ao enquadramento político, mas considerámos que devíamos aqui assumir responsabilidades e foi o que fizemos», adiantou. João Cordeiro admite que muitos dos proprietários de farmácias não entendam a assinatura de compromisso que inclui os princípios para a liberalização, mas garante que a ANF tomou a decisão mais adequada ao dar tréguas nas divergências com o ministro da Saúde.

  • Daqui se conclui que a ANF está (naturalmente) mais preocupada com o negócio das farmácias do que com os farmacêuticos e o seu pensamento na matéria.

  • E por falar em medicamentos: será que o comércio grossista e distrubuição de medicamentos vai ser analisado pela Autoridade da Concorrência para verificar da existência de eventuais concentrações ou quase monopólios? É que a ANF já tem grandes interesses nesse sector.

Isto já não é fé - é puro fanatismo ...

sexta-feira, 26 de maio de 2006
«Continuo a acreditar na qualificação, embora, por motivos óbvios, as dificuldades sejam maiores» afirmou Agostinho Oliveira

Não vale a pena guardá-lo mais, que isto é mesmo um dó, uma obra de caridade ...

É que há quem ande muito, mas mesmo muito precisado ...

"Faaaaaaaantástico Mike!"

O primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou hoje que, a partir de Junho, cada litro de gasóleo vai passar a incorporar cinco por cento de biodiesel - medida do Governo enquadrada "na legislação da União Europeia", que visa "incentivar a utilização deste combustível" e "proteger o ambiente".

"Faaaaaaantástico Melga!"

Primum vivere ...

Para o primeiro ministro:

  • quem pertencer a partidos da oposição que já tenham estado no governo não tem autoridade para criticar o actual governo.
  • a venda de património imobiliário não é receita extraordinária; é uma medida de boa gestão.

Fica-se asim a saber que:

  • só o Bloco de Esquerda e o PCP (quando não estão a fazer fretes ao governo) é que o podem criticar. Os Verdes também também podem criticar, mas esses quase não contam.
  • a actividade principal do Estado situa-se no sector imobiliário. Daí a "imobilidade" do governo e o facto da venda de imóveis do Estado ser, para o primeiro ministro, uma boa medida de gestão ... corrente.

Afinal sempre é verdade que "não há almoços grátis ..."


(para aumentar, clicar sobre a imagem)

Mais uma história mal contada ...

Os passos da história:

1. O primeiro-ministro, José Sócrates, anunciou hoje no Parlamento que o Governo decidiu liberalizar a propriedade das farmácias, que deixará de ser um exclusivo dos licenciados em farmácia.

2. O acordo vai ser assinado hoje à tarde entre a Associação Nacional de Farmácias, o Infarmed e o Governo e prevê a introdução da venda de medicamentos em unidose, o alargamento do horário de encerramento das farmácias e a permanência em funcionamento durante a hora de almoço, disse hoje o primeiro-ministro no debate mensal dedicado à política de acesso ao medicamento.

  • Então o governo decide liberalizar a propriedade das farmácias e para isso assina um acordo com a Associção Nacional de Farmácias e o Infarmed em vez de aprovar um diploma legal que altere a legislação sobre a matéria?
  • Trata-se ou não de uma decisão política do governo - imposta como ele gosta de impôr?
  • Ou afinal a dita "liberalização" não passa de um reforço da posição da Associação Nacional de Farmácias nesta matéria, dado em troca do anúncio demagógico pelo primeiro ministro de mais uma medidas "de treta"?
  • O que é que o Governo vai dar em troca à ANF para esta aceder de tão bom grado na perda deste privilégio dos seus associados e por isso, também seu?

Não há cadeirões reservados para todos ....

Tem-se "alevantado" geral indignação com o facto dos senhores presidentes da Câmaras Municipais estarem colocados, no projecto de lei de protocolo de estado, em 49º lugar na ordem das precedências, atrás mesmo dos Presidentes das confederações patronais, Presidentes das confederações sindicais e Bastonários das Ordens Profissionais ("classificados" em 44º lugar) e, pasme-se, dos Chefes dos Gabinetes do PR, PAR e PM (em 46º lugar do ranking).

Inadmissível!
Inadmissível, sim, que os senhores presidentes das Câmaras Municipais são "eleitos", são "ungidos" pela legitimidade do voto popular -não são nenhuns "nomeados"
Ainda que só a nível meramente local - ou seja, ao nível da "área" onde a sua "influência" se exerce: a sua terrinha! - têm "legitimidade democrática".
E isso "limpa-os" do pecado da "nomeação", da tentação do "lugar", do inferno da "carreira".
Ainda que andem nessas bolandas camarárias há mais que tempos, aquilo da presidência da câmara não é "lugar" - é pura "legitimidade democrática"!

Pronto, que seja.
Mas se assim é, então onde param os presidentes das Juntas de Freguesia e os presidentes das Assembleias de Freguesia?
Eles também são "filhos" da mesmíssima "legitimidade democrática".
Também eles são eleitos genuinamente pelo voto popular.
Exactamente pelo mesmo voto popular que elege os presidentes das (respectivas) Câmaras.
E então onde é que eles "param" na dita "lista de precedências"?
Em que lugar estão colocados?
Em nenhures! Simplesmente não constam dela!

A "legitimidade democrática" que serve para justificar uma "mudança de poiso", "para riba", quando se trata de presidentes de Câmaras, essa mesma "legitimidade democrática" já não é suficientemente forte e justificativa para sequer fazer entrar na "lista das precedências" os presidentes de Junta e de Assembleia de Freguesia.

Não os fazer emperelhar com "altas entidades públicas", parece lógico e aceitavel). A sua relevância e acção é meramente "local".
Mas então seria bom dizer-lhes claramente o que são, em vez de pretender mantê-los no limbo dos despojos da "legitimiade democrática" e no esquecimento da eleição pelo "voto popular".

Mas se eles não são considerados "altas entidades públicas", porque razão o hão-de ser os presidentes das Câmaras, em certos casos, eleitos com menos votos do que alguns presidentes de juntas?

Não querem lá ver que, afinal, há "legitimidades democráticas" e "legitimidades democráticas" ... !!!

E que também há razões que a razão desconhece. Ou será que conhece ...?

(O que ainda se não viu referido é o facto do presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses - ANMP- estar colocado, lado a lado com o presidente da Associação Nacional de Freguesias -ANAFRE - em 30º lugar da hierarquia protocolar, antes, por exemplo, de marechais e almirantes, membros do Conselho de Estado, Vice-Presidentes e juizes dos Tribunais Superiores, chefes superiores dos três remos da forças armadas e forças de segurança. Porque razão? A propósito de quê? Qual será esta "legitimidade"?)

Uma completa miséria

Por vezes, há acontecimentos que nos dão vontade de pensar que somos um país miserável.
Que somos uma nação miserável.
Que somos, como comunidade, como organização, como Estado, derradeira e acabadamente, os mais completos miseráveis.

Felizmente, o caso não é, pela seu natureza, de importância.
Mas revela claramente o modo como nós, portugueses, como grupo, estamos na vida: dizemos que nos preparamos para os desafios, afirmamos estarmos apetrechamos para ultrapassar todas as dificuldades, alardeamos a nossa superioridade, e quando chega o momento crítico ... falhamos!
Falhamos estrondosamente, sem apelo nem agravo!

Perdemos há pouco, no Europeu de sub-21, com uma equipe que não era propriamente dispicienda, mas que estava, sem dúvida, ao nosso alcance. Assim tivesemos jogado de forma tensa, inteligente, empenhada, cerebral, esclarecida.
Mas não. Jogámos como favoritos derrotados no primeiro jogo.

Enredados em tricas seleccionisticas e vedetismos pindéricos, enlevados por declarações de favoritismo serôdio, não fomos capazes de nos manter frios e, no momento decisivo, ganhar.

O treinador, depois da primeira derrota, disse que não perdia a fé. Bom cristão!
O campeonato não é uma questão de fé - é uma questão de futebol.
E no futebol, ganha-se ou perde-se.
Perdeu-se, como já se previa.

Era escusada a humilhação de duas derrotas em dois jogos, quando eramos dados por favoritos e o campeontao decorre em nossa casa.

Somos cada vez mais a imagem da velha história do alfaiate e o D. Caio: "eu cá mato sete de uma vez". Sete moscas... naturalmente.

É melhor confirmarem antes de começar o jogo Portugal-Sérvia e Montenegro ...

quinta-feira, 25 de maio de 2006
Será que a equipe da Sérvia não devia jogar desfalcada dos jogadores proporcionalmente correspondentes ao Montenegro, depois do SIM de domingo passado à independência montenegrina?

(Podia ser que isso nos facilitasse a vida!)

Últimas alterações na Luz ...


Na Luz, a próxima medida, depois do arranjo e re-decoração da Capela, é a aquisição de uma cadeira de rodas motorizada.

Vai ser bem precisa, no próxima época, em alguns jogos ...

Se Marques Mendes tivese sabido antes ...


... já não tinha proposto o pagamento de indemnizações dos necessários despedimento na função pública, com recurso aos fundos de Bruxelas.

Muito mais fácil, eficiente e politicamente correcto, era despedir, com justa causa, os funcionários públicos que fossem fumadores.

Ao que parece, no sector privado, é o que uma empresa está a fazer.

Gralha ...

Titula o público.pt:
Panteras Rosa contra "discriminação imbecil" na lei da Reprodução Medicamente Assistida

Na notícia, o seguinte texto:
Em comunicado, a associação Panteras Rosa considera que a lei da reprodução medicamente assitida é uma "oportunidade para a discriminação imbecil" porque, ao excluir mulheres sós e casais de lésbicas de serem artificialmente inseminadas, "fere gravemente o princípio da não -discriminação de uma sociedade plural em que os modelos da família são múltiplos e todos legítimos".

Perante isto, constata-se que o título da notícia tem uma evidente"gralha".
O título correcto deveria ser:
Panteras Imbecis contra "discriminação rosa" na lei da Reprodução Medicamente Assistida

Eis o proposto rol dos "cortesãos do Paço"

  1. Presidente da República;
  2. Presidente da Assembleia da República;
  3. Primeiro-Ministro;
  4. Presidente do Supremo Tribunal de Justiça;
  5. Presidente do Tribunal Constitucional;
  6. Vice-Primeiro-Ministro, se houver;
  7. Ministro da pasta a que respeita a cerimónia;
  8. Ex-Presidentes da República;
  9. Ministros;
  10. Vice-Presidente da Assembleia da República; Presidentes dos Grupos Parlamentares com representação na mesa da Assembleia da República; Presidentes das Comissões Permanentes da Assembleia da República;
  11. Presidente do Supremo Tribunal Administrativo;
  12. Presidente do Tribunal de Contas;
  13. Procurador-Geral da República;
  14. Líder do Maior Partido da Oposição;
  15. Decano do Corpo Diplomático;
  16. Ex-Presidentes da Assembleia da República;
  17. Ex-Primeiros-Ministros;
  18. Representantes da Republica para as regiões autónomas dos Açores e da Madeira;
  19. Embaixadores estrangeiros acreditados em Portugal;
  20. Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas;
  21. Provedor de Justiça;
  22. Líderes dos Partidos com representação na mesa da Assembleia da República;
  23. Presidentes das Assembleias Legislativas das regiões autónomas dos Açores e da Madeira;
  24. Presidentes dos Governos Regionais dos Açores e da Madeira;
  25. Secretários de Estado e Subsecretários de Estado;
  26. Deputados à Assembleia da República;
  27. Deputados ao Parlamento Europeu;
  28. Presidente do Conselho Económico e Social;
  29. Governador do Banco de Portugal;
  30. Presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses; Presidente da Associação Nacional de Freguesias;
  31. Almirantes da Armada/Marechais;
  32. Restantes membros do Conselho de Estado;
  33. Vice-Presidente do Conselho Superior de Magistratura;
  34. Vice-Presidente do Supremo Tribunal de Justiça; Vice-Presidente do Tribunal Constitucional; Vice-Presidente do Supremo Tribunal Administrativo; Vice-Presidente do Tribunal de Contas;
  35. Juízes Conselheiros do Tribunal Constitucional; Juízes Conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça; Juízes Conselheiros do Supremo Tribunal Administrativo; Juiz Conselheiros do Tribunal de Contas;
  36. Chefes dos Estados-Maiores dos três ramos das Forças Armadas (por ordem da sua antiguidade);
  37. Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana e Director Nacional da Polícia de Segurança Pública;
  38. Secretários Regionais dos Governos das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira;
  39. Chefe da Casa Civil do Presidente da República;
  40. Chefe da Casa Militar do Presidente da República;
  41. Secretário-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros; Secretário-Geral da Presidência da República; Secretário-Geral da Assembleia da República; Secretário-Geral da Presidência do Conselho de Ministros;
  42. Governador Civil, em cerimónias de âmbito nacional, que tenham lugar no distrito;
  43. Presidente da Câmara Municipal, em cerimónias de âmbito nacional, que tenham lugar no município;
  44. Presidentes das confederações patronais; Presidentes das confederações sindicais; Bastonários das Ordens Profissionais;
  45. Embaixadores de número; Embaixadores portugueses em função no estrangeiro; Vice Procurador-Geral da República; Provedores de Justiça Adjuntos; Almirantes e Generais de 4 estrelas; Presidente do Conselho Nacional de Reitores;
  46. Chefes de Gabinete do Presidente da República, do Presidente da Assembleia da República e do Primeiro-Ministro;
  47. Chanceleres das Ordens Honoríficas;
  48. Presidentes dos Tribunais da Relação e Reitores das Universidades do Estado;
  49. Presidentes de Câmaras Municipais;
  50. Governadores Civis;
  51. Chefes de Gabinete dos Ministros, com precedência em função da pasta a que respeita a cerimónia;
  52. Presidente da Entidade Reguladora da Comunicação Social; Alto-comissário para a Imigração e Minorias Étnicas; Presidente da Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres; Secretário-Geral do Serviço de Informações da República Portuguesa; Presidentes de Entidades Administrativas Independentes; Presidentes de Entidades Reguladoras Independentes; Presidentes das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional; Directores-Gerais da Administração Pública; Secretário-Geral do Conselho Económico e Social; Presidentes de Institutos Públicos;
  53. Encarregados de Negócios com cartas de Gabinete;
  54. Vice-Reitores das Universidades do Estado; Juízes Desembargadores; Procuradores-Gerais Adjuntos;
  55. Director do Centro de Altos Estudos da Defesa Nacional; Vice-Chefes dos Estados-Maiores da Armada, do Exército e da Força Aérea (por ordem da sua antiguidade); Comandante Naval do Continente, Governador Militar de Lisboa, Comandante Operacional da Força Aérea;
  56. Comandante da Escola Naval, da Academia Militar e da Academia da Força Aérea (por ordem das suas antiguidades).

(Outras regras e esclarecimentos adicionais, aqui)

"Silent night"


Do ministro dos negócios estrangeiros, até agora, nem "chus nem bus" sobre Timor.

Valha-nos isso. Assim sempre se garante que ainda não tenha havido declarações asnáticas sobre o assunto.

Mas também não houve mais nada e Portugal não é propriamente um país para o qual Timor seja uma terra completamente estranha, à qual sejamos alheios a quaisquer obrigações de solidariedade.

A crença absoluta

quarta-feira, 24 de maio de 2006
Segundo Agostinho Oliveira, «não vamos perder a fé».

Pois ... vamos só perder os jogos ...

Reciprocidade ...

O ministro da Economia e Inovação reafirmou hoje a confiança política no presidente da Agência Portuguesa para o Investimento (API), Basílio Horta, após críticas à sua actuação à frente da entidade.

Por seu lado, o presidente da Agência Portuguesa para o Investimento (API), Basílio Horta não reafirmou nada, mas deve ser certo que continuar a depositar a máxima confiança política no ministro da Economia e Inovação, não obstante as constantes críticas à sua actuação à frente do ministério.

Re ... aparições

Daniel Oliveira "reapareceu" no espaço blogosférico.

Citando da sua terceira "posta", «este país é mesmo um penico».

Mentiras ...

É mentira que Pacheco Pereira viva pelos "média" - coisa de que acusa Carrilho ...

Se calhar o Miguel de Vasconcelos e o ministro Mário Lino é que têem razão ... II

Já se tinha dito aqui que se calhar o Miguel de Vasconcelos e o ministro Mário Lino é que têem razão ...

Agora repete-se novamente ... se calhar o Miguel de Vasconcelos e o ministro Mário Lino é que têem razão ...

É que o Produto Interno Bruto (PIB) espanhol cresceu 3,5%, no primeiro trimestre deste ano e face ao período homólogo.

Protocolo e boas-maneiras

O vice-presidente do grupo parlamentar do PS Vitalino Canas desafiou hoje os partidos da oposição que contestam a hierarquização das altas entidades públicas estabelecida pelo projecto socialista de Protocolo de Estado a apresentarem alternativas.

A primeira alternativa é o PS contratar a Paula Bobone

E nem era preciso pedir! Nota-se logo pelo estilo que isso é de primeiríssima necessidade no PS ...

O escolhido ...

Agora que está em cima da mesa a ecolha de um novo Procurador Geral da Republica, será que alguém já pensou em Pinto da Costa para o lugar.

É que se resolviam, de uma penada, imensos problemas ...

Mal "acomparado" ...!

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, comparou hoje o primeiro-ministro a Pilatos, por transferir para as administrações dos hospitais da Beira Interior a decisão sobre o fecho de maternidades na região.

A questão é a seguinte:

1. A Câmara Municipal da Guarda é um bastião socialista;

2. A Câmara Municipal de Castelo Branco é um bastião socialista;

3. A Câmara Municipal da Covilhã é um bastião do PSD e um "espinho encravado na garganta" do "eixo" (para o que convém) socialista da beira interior.

4. Na Covilhã há uma Faculdade de Medicina.

5. É costume as Faculades de Medicina disporem de um hospital "universitário" onde existam todas as valências.

6. A Guarda, a Covilhã e Castelo Branco, apesar de relativamente próximas ainda distam entre si uma boas dezenas de quilómetros.

7. Por isso seria de toda a lógica (pedagógica e científica, pelo menos...) que a a Universidade da Covilhã dispusesse, na Covilhã, de uma maternidade (porque nela se ministra também ensino médico universitário).

8. Isso implica, porém, o encerramento das maternidades da Guarda e Castelo Branco - que são ambas autarquias do PS.

9. Mesmo que encerre apenas uma destas duas e a da Covilhã (cuja Câmara até é do PSD), a cidade que ficar sem maternidade não deixará de fazer um "berreiro de desmamado" - sendo que é uma capital de distrito com uma Câmara Municipal do PS.

10. Ora perante esta vexatio questio, nada melhor que deixar para o futuro Conselho de Administração do agrupamento de hospitais da Beira Interior dois enormes "pincéis":
- o primeiro é o de dar publicidade - e comunicar às autarquias visadas - à decisão que sobre a matéria lhe for "ditada" pelo governo;
- o segundo é o de "aguentar" e "acalamar", depois, toda a contestação, salvaguardando sempre o governo, o primeiro ministro e o ministro da saúde e mantendo-os fora de toda a contestação que lhes seria dirigida.

O que isto seja, não se sabe exctamente.
Mas que, perante este quadro, qualquer Pilatos parece um menino de incubadora de uma destas maternidades, ai isso parece ...

Coitadinho do Pilatos. Que mal fez ele para ser comparado ao sócrates ...

Nota: É evidente que não obstante este claro "frete" ao governo haverá sempre alguém disposto a ocupar os lugarzitos do dito Conselho de Administração e de carregar a tarefa de "arauto das extinções". As prebendas "pagam" tudo.

E é evidente que, mais tarde, quando o PS foi apeado do cavalo do poder e a eles "calhar" a porta de saída, ainda se há-de ouvir o seu "choro de leite" por abandonarem o lugar, eles que, dizem, "serviriam os novos como serviram os velhos" ...

Favoritos ... como sempre ...

terça-feira, 23 de maio de 2006
O "sempre favorito" Portugal estreou-se, no Europeu de sub-21, a perder 1-0 com a França. Comme d'habitude ...

"Jaz morto e enterrado" ...


Depois do parecer de Gomes Canotilho e do pedido de escusa apresentado pelo Procurador, só falta mesmo "enterrar" o processo "Apito Dourado".

É que "morto" já ele está ...! Morto e "bem morto" ...!

Citação do dia

"A minoria pode ter razão, a maioria está sempre errada"

Henrik Ibsen

O asseio é uma coisa essencial

Por uma questão de higiene e salubridade, Ricardo Costa não deverá ter apertado a mão a Carrilho, no final da daquele "despejo" de insultos que foi o "Prós e Contras" de ontem.

A trajectória ...

Noticia a Lusa que «o goleiro Ricardo, que deve ser o titular da seleção de Portugal na Copa, disse hoje ser "cada vez mais difícil" prever a trajetórias das bolas, devido à utilização de novos materiais na confecção do material esportivo».

Por via desta notícia, os seguintes comentários:

1. A Agência Lusa deve mudar rapidamente o nome para Agência Carioca. Então já pode falar em «copa», material «esportivo» e chamar à vontade «goleiro» a Ricardo. Mas não se excedendo. «Goleiro» sim, «frangueiro» nunca.

2. Na verdade, o grande problema de Ricardo é exctamente "prever a trajectória das bolas". Por isso é que ele é designado «goleiro» e não «guarda-redes».
E é exctamente por isso que vai causar tantos calafrios aos portugueses não sportinguistas, durante o mundial; os sportinguistas, esses já estão habituados ...

Maus estudantes ...

Perante esse tipo de proposta [do presidente do PSD], só tenho um comentário a fazer: acho que os políticos devem primeiro estudar antes de fazerem qualquer proposta. Os políticos nunca devem fazer propostas sem primeiro as estudarem”, declarou Sócrates.

Foi por ter "estudado" a fundo a matéria que o primeiro ministro andou a apregoar na campanha eleitoral o não aumento de impostos e assim que chegou ao governo vá de aumentá-los "sem tom nem som" - mesmo que daí nenhum efeito positivo tenha resultado.

Facto verdadeiramente importante

O Benfica já tem treinador.

Terá mesmo?

É o que se pode chamar mesmo "um óptimo acordo"...!


Os ministros da Agricultura e Pescas da União Europeia assinaram, ontem, em Bruxelas, um novo acordo de pescas com Marrocos, sete anos após ter cessado o último acordo.

No momento da cessação do último acordo, em 1999, Portugal tinha 30 licenças de pesca.

Agora, havia em no nosso país 28 embarcações candidatas às licenças.

No acordo hoje celebrado e que vigorará por quatro anos, Portugal ficou apenas com 14 licenças.
A Espanha couberam 100 licenças.

O "nosso" "ministro" da agricultura e pescas ficou «muito satisfeito com o acordo» considerando «equlibrado» o número de licenças atribuído a Portugal.

Porque é que não oferecem uma cana de pesca ao senhor ministro, para ele poder ir "dar banho à minhoca"?

Prosápia e maus fígados

segunda-feira, 22 de maio de 2006
Carrilho já estava completamente esquecido, esquecido como se esquecem os sonhos maus e os pesadelos.

Depois da estrondosa campanha seguida da não menos estrondosa derrota para a Câmara de Lisboa, Carrilho foi definitivamente esquecido por Lisboa, pelo país e pelo PS.

Carrilho era um assunto arrumado.

Porém Carrilho não dorme.
Resolveu escrever aquilo a que chama insistentemente um "livro".
E mais; publicou-o.

Não se sabe bem o que esse "livro" é, o que contém e para que serve.

Certo, certo é que se outra utilidade não tem (parece que não tem mesmo), serviu para pôr Carrilho nas televisões e na imprensa (que ele tanto critica) e serviu ainda para lhe dar umas "massas" com a sua venda (não obstante ser um livro de Carrilho ainda há quem compre...).

Hoje, nos Pós e Contras" (como no lançamento do "livro") "consegue" ter uma horas de televisão em directo, na "companhia" de Emídio Rangel (um ex-homen forte da SIC, entretanto caído em desgraça).
Será que essa exposição mediática vai-lhe ser útil ou perniciosa? E a companhia de Rangel?

A pergunta que se impõe: será que no final Carrilho apertará a mão a outro que não a Rangel?

"Abril em Portugal ..."

... neste caso, é mais Maio ...

Na reunião de Câmara da semana passada, foram aprovados os subsídios a distribuir pelas colectividades do concelho de Valongo.

O Ermesinde Sport Clube ficou descontente com o valor que lhe foi atribuído e pediu uma audiência com o vereador com o pelouro do Desporto, Mário Duarte.

Quando Mário Duarte recebia uma delegação do clube de Ermesinde, constituída pelo presidente, José Araújo, e outros dois dirigentes, apareceu Fernando Melo, Presidente da Câmara.

Irritado com o pedido de aumento de subsídio, o autarca terá começado aos murros na mesa, bradando que nem sequer era obrigado a atribuir um subsídio.

Perante a cena, a direcção do Emersinde abandonou a sala.

Foi quando os três membros da colectividade de Ermesinde tentavam sair do edifício que ocorreu um "lapso" determinante para a cena que se seguiu.

Nervoso pelo tom usado por Fernando Melo, um dos dirigentes, António Pertiga, entrou, por engano, no gabinete do presidente da Câmara.

António Pertiga estava desorientado no interior do gabinete quando apareceu Fernando Melo.

Terá sido nessa altura que o autarca ficou fora de si e empurrou o dirigente de 70 anos, agredindo-o a soco e pontapé.

Quem presenciou à cena relata que Pertiga perdeu os sapatos e caiu no chão, só tendo conseguido sair do gabinete quando apareceram duas secretárias e um vereador, que sossegaram os ânimos e ajudaram o dirigente a sair.

Almas gémeas

Os líderes do CDS/PP e do PPD/PSD são umas verdadeiras almas gémeas:

1. Foram eleitos em "directas" (com resultados absolutamente "esmagadores" ...!)

2. São "transitórios" (por enquanto as "facas" ainda estão a ser afiadas ...!)

3. Conseguiram resultados inferiores aos da oposição interna para os órgãos políticos dos rspectivos partidos (mas ainda assim ficaram todos contentes ...!)

4. Têm ideias brilhantes:

a) Um lembrou-se de criar um cartão identificador de famílias numerosas (como se isso não se notasse perfeitamente ...!)

b) O outro lembrou-se de usar fundos comunitários (eventualmente os destinados à "criação de emprego") para pagar indemnizações por despedimento aos funcionários públicos portugueses.

"É só saúde ...!"

Mais duas decisões (a juntar a um vasto rol) que só contribuem para o prestígio da justiça portuguesa:

1.Ministério Público arquivou processo contra José Luís Judas e Américo Santo, em cuja investigação se se encontrou envolvido Jorge Coelho.

2.O Ministério Público arquivou hoje um inquérito contra a autarca Fátima Felgueiras por suspeitas de injúrias à justiça e contra dois dos seus antigos colaboradores proferidas em Dezembro de 2004

"Quem não tem dinheiro, não tem vícios ...!"

A Sport TV do Oliveirinha quer impedir – proibindo – a exibição pública de jogos do Mundial de Futebol. Segundo a dita Sport TV, os jogos que ela transmita, em sinal codificado, ou transmitidos pela SIC, em sinal aberto, não poderão ser vistos nos costumeiros ecrãs gigantes colocados na rua ou em estabelecimentos comerciais como bares e restaurantes, porque a Sport TV comprou todos os direitos de exibição pública.

Se isto não fosse uma questão puramente jurídica seria mais ou menos um caso demencial.

Senão vejamos:

1. A Sport TV “vende” o “acesso” a um sinal de televisão.

2. Até agora a Sport TV nunca impediu ou condicionou a exibição das suas emissões “em lugares públicos”, como os ditos bares ou restaurantes, designadamente no Euro 2004, nem nunca diferenciou o pagamento do acesso (descodificação) ao sinal entre residências (lugares “privados) e cafés, bares, restaurantes e quejandos (lugares públicos).

3. Nunca foi limitada a reprodução para o público (publica, portanto) dos jogos transmitidos pela SIC em sinal aberto, designadamente em montras de estabelecimentos de electrodomésticos.

4. Pretende agora a Sport TV, introduzir, inopinadamente, na sua prática contratual uma clausula ou condição absolutamente inovadora, que altera todo o procedimento anterior. Essa cláusula – que parece apresentar carácter leonino e abusivo – deixa “pendurados” os proprietários de lugares de acesso público, como bares e restaurantes, que decerto, na sua “boa-fé” contariam poder exibir os jogos do mundial enquanto os seus clientes bebem um copo ou se refastelam com uma lauta refeição. Isto mesmo se o jogo for transmitido pela SIC, em sinal aberto...!
É que, note-se, o visionamento nestas exibições públicas, não é “pago” como se se tratasse da prestação de um serviço. Isto quer se trate de um café ou da junta de freguesia.

5. Ou seja: a Sport TV está a querer aproveitar-se de uma facto que assume (mal ou bem) relevo nacional – a presença da selecção nacional no campeonato mundial – para tentar alterar os termos contratuais ao abrigo dos quais disponibiliza o sinal televisivo, “condicionando” as costumeiras formas de exibição pública.

6. Mais do que isso e mais grave do que isso: a Sport TV pretende condicionar a utilização do sinal aberto emitido por outra estação, condicionando o modo como possa ser feita a difusão destes programas, com o argumento de que adquiriu os direitos de exibição pública desses jogos.

Isto parece manifestamente abusivo.
Não seria pior se as autoridades públicas competentes se preocupassem com esta atitude da Sport TV, em vez de meterem a “cabeça na areia” só porque se trata da Sport TV que é do Oliveira que é dono de parte da comunicação social portuguesa que, por isso, é um tipo influente e poderoso que por isso não pode ser incomodado pelos poderes públicos poderes que não querem ser incomodados pelo dono da Sport TV que controla alguma da comunicação social portuguesa.

Talvez seja bom manter ainda um certo espaço de “liberdade” e de “livre concorrência” nesta matéria.
Ou melhor ainda: será mesmo bom impedir “apropriações” de “coisas” eminentemente inapropriáveis, se se quiser viver numa sociedade livre ....

É que se ninguém parar o homem ele, para além de “comprar” o direito à difusão pública de todos os programas de todas as televisões, ainda compra o “direito difusão privada” de todas essa televisões.

Ou seja: para podermos ver as notícias (do nosso governo...) em casa, ainda nos veremos obrigados a “adquirir” esse “direito” ao senhor Oliveira.

E isso, talvez, já seja demais ...

Está visto ...! É mais que certo ...!

sábado, 20 de maio de 2006
Os reformados já podem ficar tranquilos. O Ministério das Finanças e da Administração Pública veio hoje a público desmentir formalmente que o Governo admita a hipótese de acabar com o 14º mês dos reformados, conforme terá afirmado o secretário de Estado Adjunto e do Orçamento, Emanuel Santo.

Com este desmentido do governo, passa a ser "tão certo como três e dois serem cinco" que o 14º mês (subsídio de férias) dos reformados vai acabar (mais tarde ou mais cedo).

E pela filosofia (de acabar com os privilégiso) que o governo põe nestas coisas, os primeiros a deixar de o receber deverão ser os aposentados da Caixa Geral de Aposentações, e de entre eles, os que receberem o subsídio de montante mais elevado.

A ver vamos ... Aguardemos pelos próximos capítulos ...

Branco é, galinha o põe ...!

A investigação feita pelo Procuradoria-Geral da República considera que os procuradores que pediram a facturação à Portugal Telecom de alguns números de telefone não têm qualquer «culpa» no caso e a publicação dos referidos números de telefone será da «responsabilidade» da Portugal Telecom.

Só é estranho ser preciso tanto tempo para se chegar a esta óbvia conclusão.

Mas fica ainda por saber:

1. quem andou a fazer "sorts" nos naqueles documentos em Exel fornecidos em disquettes pela PT , de modo a "descobrir" os "outros" números e o registo das respectivas chamadas;

2. quem forneceu a correspondência entre todos aqueles números e as entidades oficiais em causa, já que eles não constam nominativamente da lista, pois aqueles telefones são todos do cliente "Estado", para além de serem confidenciais.

3. quanto recebeu quem descobriu estes dados, por os passar ao jornal.

Pronto...! Já cá faltavam estes ...!

O Banco de Portugal revelou que a actividade económica continuou a apresentar uma trajectória ascendente, com o indicador coincidente a completar cinco meses consecutivos de recuperação. A instituição prevê ainda a continuação da recuperação do consumo privado.

A economia portuguesa voltou a dar sinais de melhoria em Abril, completando cinco meses de recuperação, de acordo com o indicador coincidente ontem divulgado pelo Banco de Portugal.

O anverso e o reverso

Instituto Nacional de Estatística
Estatísticas de emprego
1º trimestre de 2006

No 1º trimestre de 2006, a taxa de desemprego estimada foi 7,7%.
Este valor é superior em 0,2 pontos percentuais (p.p.) face ao observado no período homólogo e inferior em 0,3 p.p. face ao 4º trimestre de 2005.

O número de desempregados situa-se em 429,7 mil indivíduos, representando um aumento de 4,1% face ao trimestre homólogo e um decréscimo de 3,9% em relação ao trimestre anterior.

O número de empregados aumentou 0,6%, quando comparado com o mesmo trimestre de 2005, e diminuiu 0,1% relativamente ao trimestre anterior.

Não tardou o "foguetório" ...

sexta-feira, 19 de maio de 2006
O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, Vieira da Silva, afirmou hoje que a queda da taxa de desemprego em Portugal verificada no primeiro trimestre deste ano é "um passo claro no sentido certo".

Não há nenhuma razão - mas absolutamente nenhuma - para se poder pensar que a registada diminuição do emprego não seja meramente conjuntural e que nada está garantido para o futuro, que pode muito bem ser negro ...

Mas o governo não resiste ao estralejar dos foguetes ...

A "catarsezinha" do fim de semana

Neste fim de semana toca ao PSD o exercício de catarse colectiva.

Ainda se estão para ver os resultados ...

Talvez não fosse pior ideia estar disponível durante todo o congresso um amola-tesouras-e-navalhas para afiar as facas (... destinadas às "costas") e as tesouras (... mais aptas para o "corte").

A nossa selecção

O futebol tem destas coisas: é capaz de transformar, de um momento para o outro, a mais estimável das pessoas no energúmeno mais feroz, a mais clarividente no asno mais completo.

Lembro-me de um velho senhor, pessoa do mais fino trato, de uma gentileza a toda a prova (a quase toda ... como veremos) que durante os jogos de futebol se transformava no carroceiro mas temível. Ainda por cima antecipava os remates nas jogadas de ataque, dando incontrolados pontapés nas costas dos espectadores à sua frente, ao mesmo tempo que os seus braços, bem abertos, lhe davam o necessário equilibrio para o remate. Moral da história: à sua volta havia sempre uma clareira, o que permitia saber onde se encontrava a ver o jogo.

Vem tudo isto a propósito de Scolari e da selecção nacional.
Todos nós sabemos que o facto de sermos portugueses nos dá geneticamente, a ominisciência. Sabemos tudo de tudo. Mais: somos especialistas de tudo, em geral.

Ora, se em coisas mais complexas temos sempre um opinião bem firmada, construída à base do "achar" de cada um, mais umas pitadas de "parlapié" de esquina, em futebol nem se fala. Todos nós somos, no mínimo, treinadores encartados.

Vai daí, há que "arrazoar" a propósito de tudo: agora o que está a dar é a selecção, o selecionador e os jogadores do Porto que não foram convocados.
De tudo isto resulta que há quem se manifeste de forma mais ou menos soez, com abaixos assinados bloguisticos, para "correr" com Scolari, porque não convocou o Baía e o Quaresma.

E toda a gente dá "bitaites" com a mesma ligeireza mas com o profundo saber com que fala da energia nuclear, da crise do Irão, do ordenamento do território ou da vareta do óleo que se entortou.

Dizia-se, "na" "velha senhora", que o país "vivia" dos três FFF: fado, Fátima e futebol.

Hoje continuamos exctamente ... pior.
O fado vai indo, mas qualquer dia já não é fado; é uma "treta" qualquer.
Fátima está bem e recomenda-se não obstante os porfiados esforços das esquerdas e da malta do avental, e mau grado todas as regras sobre os representantes da Igreja Católica no "protocolo do Estado" inventado pelo PS.

O futebol, esse, está muito pior.
Não porque cada um ache que sabe mais que o selecionador nacional.
Mas porque toda a gente está absolutamente e intimamente convencida que se lá estivesse fazia melhor que Scolari.

E este é precisamente o perigo: neste país ninguém se enxerga! E por isso estamos como estamos.

No mais, o que importa agora é que a seleção tenha uma colecção de sucessos e que chegue o mais longe possível.

De preferência, que ganhe tudo! (Então aí, Scolari pasará rapidamente a heroi!)

Uma nota final.

O "arraial" que rodeia o futebol já é, por si só, do mais "bronco" e "pindérico" possível.
Seria bom que não piorassem as coisas com inicitivas "foleiras".
Para se ganhar, basta única e simplesmente, bom futebol.

"ricas vidas"


Portugal vive duas vidas.

Uma, a real, é o que se pode chamar de "porca miséria".
E por isso o governo se afadiga tanto a escondê-la e a disfarçá-la já que outra coisa não é capaz de fazer, nem sabe faze-lo. Para piorar as coisa, os "tempos" também não "ajudam".

A outra vida é aquele em que querem fazer crer que efectivamente vivemos.
Difícil, mas com um futuro risonho, em direcção ao qual o governo, com uma sucessão de anúncio de grandes medidas e inicitivas, abrilhantadas por foguetório vário, pretende dar-nos a ideia de que nos conduz para lá, ainda que, ao mesmo tempo, e para não darmos conta do engano, cria vários "factos políticos" irrerlevantes e absolutamente laterias, mas que distraem dos verdadeiros problemas e mantêem a atenção presa em questões de "bujiganga".

Infelizmente, tal como no caso do doente incurável, as melhoras não são mais que sinais de agravamento da já debilitada situação.

Se calhar o Miguel de Vasconcelos e o ministro Mário Lino é que têem razão ...

quinta-feira, 18 de maio de 2006

As regiões mais pobres da Espanha ultrapassaram em 2003 o nível de riqueza médio de Portugal, segundo os últimos dados estatísticos das regiões europeias publicados hoje pelo Eurostat, em Bruxelas.

Até tu, Brutus!



O secretário-geral da UGT disse hoje que o anúncio de uma quebra homóloga de dois por cento no desemprego em Abril é "um pouco enganadora", não havendo dúvidas de que o "desemprego real aumentou".

Será que assim se conseguiriam melhores resultados por cá?

(por mail)


Novos "impactos"

Depois das "avaliações de impacto ambiental" eis que chega agora a "avaliação (prévia e sucessiva) do impacto dos actos normativos".

Quer isto dizer que quando um orgão legislativo legisla, verdadeiramente não sabe porque o faz nem para que o faz!

"Incendiarismo"(*) anunciativo

quarta-feira, 17 de maio de 2006
"O Ministério da Justiça tem previsto para Julho uma acção de formação para magistrados, no Centro de Estudos Judiciários, sobre incendiarismo", disse o ministro da Administração Interna, António Costa.

Ao que parece agora é o ministro da administração interna que anuncia a formação destinada a magistrados judiciais, preparada e ministrada pelo ministério da justiça!

Será que isto se inclui no conceito de "fogo posto" ou será antes subsumível no tipo "fogo por negligência"?

(*) O conceito de "incendiarismo" engloba o fogo posto e fogo por negligência (para quem não saiba ...!)

Chegou e disse, falou e foi-se ... (take 2)

O ministro de Estado e das Finanças afirmou, na Assembleia da República, que a taxa de desemprego em Portugal não vai aumentar ... nos primeiros três meses do ano.

(Porém, o presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) admitiu que o cruzamento de dados com a Segurança Social influenciou os dados do desemprego registado)

Chegou e disse, falou e foi-se ...

O ministro de Estado e da Administração Interna, António Costa, afirmou que o novo regime jurídico do arrendamento urbano «não é inconstitucional, nem viola o direito de propriedade».

A César, o que é de César ...

O Executivo parece o elefante que, depois de pisar uma perdiz, foi cheio de remorsos sentar-se no ninho para ajudar a chocar os ovos.

É como se o elefante sentado no ninho tentasse piar como uma perdiz.

Portugal está como o homem que caiu do arranha-céus e quando, a meio da descida, um amigo da janela lhe pergunta como está, ele responde: "Até agora, tudo bem!".

João César das Neves
(Diário de Notícias)

Pode ser que seja ...


Só mesmo a visão da águia é capaz de "descobrir" um avião na gravação vídeo agora divulgada.

Um caso de excesso de sangue no álcool

Um individuo de 36 anos, envolvido num acidente no dia de Páscoa, viajava com uma taxa de álcool de 7,46 gramas de álcool no sangue.

Pelos vistos, o congresso do PSD já deve estar próximo ...!

terça-feira, 16 de maio de 2006
Manuela Ferreira Leite concorda com a decisão do Governo de encerrar várias maternidades.

Será que ainda existe "estado" no Brasil?


A onda de violência que se instalou no em S.Paulo está controlada, garantiu o Governador da cidade, Cláudio Lembo.

Um acordo celebrado entre o governo estadual e o líder do Primeiro Comando da Capital (a associação criminosa responsável pela rebelião), na segunda-feira, deverá pôr fim à violência.


Após o alegado acordo o ritmo dos ataques caiu e os transportes públicos começam, aos poucos, a circular normalmente.

Master franchising

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Guiné-Bissau aprovou a criação do Partido da Nova Democracia (PND), o 31º legalizado no país, disse o presidente da comissão instaladora, Ibraima Djaló.

A nova força política, que ainda não tem líder eleito, inspirou-se nos «ideais» do partido homónimo português, liderado por Manuel Monteiro, defendendo o liberalismo político e económico como modelo de sociedade

Tabuada


Pelos vistos, só o PS é que sabe "fazer contas"!

1ª, 2ª, 3ª ....


Para Albino Aroso, as maternidades sem condições devem encerrar porque não podemos ter mulheres de primeira e mulheres de segunda (Publico, sem link).

Parece evidente que encerrando as maternidades "sem condições" acabam-se efectivamente as mulheres "de segunda".

Só que, por isso, é entretanto criada uma nova categoria de mulheres: as mulheres "de terceira".

As mulheres "de terceira" são precisamente as que dantes tinham na sua terra uma maternidade "sem condições" e que, por isso, foi encerrada, passando agora a ter que se deslocar algumas dezenas de quilómetros para ir às terras das mulheres "de primeira", onde há maternidades "com condições".

"Philosophia de ponta"

«pensar global e agir global»

Cavaco Silva
(Presidente da República)

Está desvendado um magno problema nacional:

segunda-feira, 15 de maio de 2006
quem vai integrar a selecção nacional no Mundial 2006.

Constituído fundamentalmente por jogadores de diversas grandes equipes (como, por exemplo, Benfica, Sporting e Estrela da Amadora ou Chelsea, Barcelona e Inter) o plantel conta ainda com um jogador do FCP ("metido" em substituição de Jorge Andrade, por lesão deste).

A "pá do remo" ...


Qualquer coisa serve para o governo anunciar salvíficos "sinais de confiança".

Mesmo que aquilo que ele vê, e quer que se veja, como um "bote de salvação" não passe da "pá de um remo" a flutuar ao sabor das vagas, depois de trágico naufrágio.

Boas notícias para o governo

Depois dos porfiados esforços que vêm sendo desenvolvidos pelo governo desde a sua posse, finalmente o país dá sinais positivos de reacção à "catarata" de "medidas" que são constantemente anunciadas: de acordo com uma sondagem Correio da Manhã/Aximage, 44,3 por cento dos inquiridos considera que o Executivo de José Sócrates está a governar pior do que esperava. O número de desiludidos cresce assim 6,3 pontos percentuais em apenas um mês.

Vem aí mais um "lote" de "gatos" ...

O primeiro-ministro, José Sócrates, prepara-se para anunciar, entre segunda-feira e o fim deste mês, um novo pacote de investimentos empresariais no sector privado.

... ainda que nos sejam "vendidos" por "lebres" ...!

Nem tudo o que luz é ouro ...

sábado, 13 de maio de 2006

Desta vez, o governo tirou "minas " da cartola.

Esperemos que as minas não sejam mais um "gato" do costume ...

Lá arranjou ele mais um problema ...

sexta-feira, 12 de maio de 2006
A decisão de Sá Pinto deixou dirigentes e treinador do Sporting completemente "pendurados". Agora que já pensavam ter-se libertado de um problema "insolúvel" ...!!!

Mas é "bem feito" para Soares Franco.
Agora ele vai sentir "na pele" o que sentiram os candidatos seus adversários nas eleições: tinha dito que se ia definitivamente embora e acabou a ganhar a eleição covocada por causa da sua saída ... !!!

Vem mesmo a calhar ...

Afinal nem tudo está perdido.
Exactamente no "momento" em que o governo decidiu "não comprar" ao senhor Monteiro de Barros um "gato" que andou para aí a apregoar ser uma enorme "lebre", eis que surge "da bruma" a GALP a querer fazer no mesmo sítio "quase" a "mesma" coisa: uma refinaria, com terreno "à borla", ajudas do Estado, incentivos variados, e mais encargos para o erário público ...

Miserere nobis

Perante o total destrambelho que, "pela aragem", parece ser o conteúdo do livro de Manuel Maria Carrilho sobre as "maldades" que lhe terão feito a quando e a propósito da campanha eleitoral para a Câmara Municipal de Lisboa, um dos jornalistas visados, Ricardo Costa, para introduzir uma nota "soft" naquele "desatino", sempre foi dizendo que Carrilho é um óptimo professor de filosofia e um grande filósofo ...

Ao que chega a compaixão ...!!!!

Alquimia

Dantes, os chefes de gabinete "davam" secretários de Estado.

Agora, dão presidentes de Instituto Público. Ao menos, sempre lhes "rende" um pouco mais ...

"Never ending story"

quinta-feira, 11 de maio de 2006
Pede-se aos senhores árbitros da Liga Betandwin que façam o favor de não mostar mais cartões vermelhos ao senhor Sá Pinto a dois jogos do fim do campeonato, senão obrigam o dito a jogar até à idade da reforma ....

Uma mera questão de sujeito verbal

Salários dos funcionários públicos sem aumento intercalar.

"Temos que fazer sacrifícios", disse o ministro das finanças

"Temos" ????!!!!

É evidente que o senhor ministro queria dizer "têem", referindo-se exclusivamente aos "privilegiados" dos funcionários públicos... !!!!!!!!

Cá e lá ...

(acabada de cair no mail)

American said:
"We have George Bush, Stevie Wonder, Bob Hope, and Johnny Cash"

Portuguese said:

"We have Jose Socrates, no wonder, no hope, and no cash"

Os gatos e as lebres

Quantos mais daqueles acordos e investimentos celebrados pelo governo com várias empresas, há uns meses atrás, e anunciados com grande espavento e "espantação" - como aquele da fábrica da IKEA que não se sabe bem onde fica nem quando vai ser construída ou o outro com o Director Geral da Microsoft Portugal, que o Bill Gates só lá esteve para "decorar" - serão afinal mais uns tantos "gatos" que o governo nos tem andado a "vender" por rapidíssimas "lebres"?

Papel recomendado ao ministro da saúde para "embrulhar" a extinção de maternidades que representem eminente perigo para a saúde das mães ...


Posição do ministro da saúde a respeito do encerramento de algumas maternidades ...

Propaganda e compras ...

O primeiro-ministro considerou insatisfatória a última versão do projecto do empresário Patrick Monteiro de Barros para a construção de uma nova refinaria em Sines, avisando que o Governo nunca comprará "gato por lebre".

Pode não comprar. Mas é mais que verdade que em Dezembro o mesmo governo "fartou-se" de anunciar que o que diz agora ser "gato" era então uma enorme e bem nutrida "lebre".

E agora ... a "redenção"!

quarta-feira, 10 de maio de 2006
O Banco de Portugal deverá rever em alta as previsões de crescimento da economia portuguesa para 2006.

Um manifesto equívoco ...

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Hamas não tem dúvidas que o facto de Freitas lhe ter apertado a mão é a prova que o boicote da União Europeia à Palestina foi quebrado.

Está compeltemente enganado.

Em primeiro lugar, a mão de Freitas não representa a Europa ...

Em segundo lugar, Freitas aperta a mão a qualquer um ...

"Segurem-no, senão bate-nos ..."

O ministro da Saúde, António Correia de Campos, garantiu hoje que as regras definidas para as maternidades vão também ser impostas aos estabelecimentos privados.

O juiz de (não) direito

O ministro da justiça pretende passar a recrutar os magistrados de entre detentores de diversas licenciaturas que não necessariamente direito, para além de também o querer fazer de entre os que possuem experiências profissionais meritórias que as tornem valores que possam vir a enriquecer as magistraturas.

Ora quanto a esta última "área de recrutamento" podem-se apontar, desde já, duas experiências muito relevantes a com as quais o métier de juiz muito beneficiaria.

A primeira delas é a de ministro da justiça.
Na verdade só um ministro da justiça é capaz de conseguir perceber o sistema judicial depois de nele ter introduzido, durante o desempenhop do seu "alto" magistério, as "brilhantes" ideias com que se propunha reformar de vez o panorama da justiça e do sistema judicial, ainda que, no final, o tenha conseguido desarticular um pouco mais.
Além disso, o ex-ministro é o único ser vivente capaz de perceber e aplicar na práctica as novas "soluções legislativas" que a sua acção à frente dos desígnios da justiça conseguiu "pôr cá fora".

A segunda experiência é a de árbitro de futebol.
E por diversas razões. A primeira delas é que a justiça ganharia rapidez. O arbitro-magistrado podia tomar decisões as mais anormais, as mais trogloditas, as mais incompreensíveis - mas todas elas seriam tomadas imediatamente, no momomento, sem mais delongas. Ou seja "justiça" pronta.
Depois as decisões não seriam susceptíveis de recurso o que só abonaria em favor da celeridade - sem que isso prejudicassse, ainda assim, a justiça material mais do que ela hoje é prejudicada com a infinidade de recursos possíveis, no final dos quais está a prescrição.
Finalmente um árbitro-magistrado aceitaria muito melhor as desconsiderações do governo ao poder judicial já que no "relvado" está fartinho de ser soezmente insultado.

A cautelar providência

terça-feira, 9 de maio de 2006
Dá a sensação que o governo não se vai coibir de fazer tudo - tudo mesmo, racional ou irracional, fundado ou infundado - para levar avante o encerramento das maternidades.

Tanto mais que estando em causa a intervenção dos tribunais nesta matéria, por via das providência cautelares intrepostas, o governo não vai deixar de aproveitar a ocasião para demonstrar a "supremacia" da sua vontade sobre tudo e todos, designadamente sobre os tribunais. E depois, constatar, com gáudio, a correspondente "sujeição".

É este o modo como o governo "lê" e "entende" uma maioria absoluta parlamentar.

Tem um dedo que adivinha ...




"Tenho boas e fundadas razões para acreditar que o desemprego não vai piorar em 2006. Pelo contrário, vai melhorar", afirmou o primeiro ministro.

o primeiro passo no bom caminho ...

Ronald Koeman abandonou o cargo de treinador principal do Benfica

Epílogo

José Ribeiro e Castro teve em cima da mesa a possibilidade de abandonar a liderança do CDS/PP e chegou a equacionar o cenário com elementos que lhe são próximos.

Faltava uma frase destas para ficar completa a catarse!

A solução dos problemas ...

segunda-feira, 8 de maio de 2006
Para o governo, o modo de resolver os problemas eventualmente contidos na mensagem do mensageiro é ... "matar" o mensageiro.

Pirotecnia


Por força das limitações impostas pelo governo à realização de espectáculos de fogo de artifício e de lançamento de pirotecnia durante o Verão, a única entidade que passa a estar autorizada a "deitar foguetório" durante todo o ano é o próprio governo.

Então a refinaria?

Ainda não se ouviu a oposição questionar o governo, de forma convincente, sobre o "andamento" da muito anunciada "refinaria de sines" de Monteiro de Barros, principalmente sobre as implicações, compromissos e, fundamentalmente, obrigações e ónus futuros, financeiros mas não só, que recairão sobre o Estado, em resultado de um "pré-acordo" celebrado "à pressa" para sere anunciado unicamente "para português ver".

Colado ...




Ribeiro e Castro garante que o CDS-PP está unido

Cortesia e boas maneiras

Presente no congresso do CDS-PP como convidado, Vitalino Canas não se coibiu de tecer comentários sobre o "desaparecimento" do CDS-PP e sobre a "crise interna" que atravessa.

É verdade que a malta do PS nunca foi muito dada à elegancia e boas maneiras. Para eles isso é coisa de pessoas "bem" - o que eles, pelos vistos, não são e nem querem ser. Certo é que o "mal" se lhes agravou nos últimos tempos.

Será que o governo ainda não notou nada no nosso clima económico?

A Comissão Europeia deverá hoje instar o Governo português a rever em baixa as suas previsões económicas relativas às taxas de crescimento para este ano e para o próximo.

No limiar da vida - take 2


Confirma-se - pelas palavras do primeiro ministro e secretário geral do PS em defesa de Freitas do Amaral, na sequência da entrevista ao Expresso - que o Ministro dos Negócios Estrangeiros só não está "politicamente morto" porque o PS insiste em o manter "ligado à máquina".

E depois, CDS-PP ?

1. Acabado que foi o congresso do CDS-PP, que decorreu este fim de semana na Batalha, pode-se finalmente dizer, a respeito da vida interna do CDS-PP:
- «Terminou o congresso do CDS-PP. No mais, "tudo como dantes. Quartel General de Abrantes».

2. Não se compreende - desde logo, porque não parece inteligente - que um partido politico que tem como aspiração o poder, se bem que a ele, até hoje, apenas tenha conseguido aceder em coligação com outros partidos, se dê ao "luxo" de um congresso como este!
Não se debateram ideias, não se discutiram orientações programáticas, não se definiram estratégias. Depois de uns momentos de discurso contido , os "protagonistas" direcção e grupo parlamentar desataram a "arranhar-se" (enfim ... aquilo foi mais boxe!) em público, perante as televisões.
Magnífico espectáculo!

3. Perante tudo isto, perguntar-se-á:
O que ganhou Ribeiro e Castro, líder tri-eleito, que não estivesse já ganho quando foi re-eleito (nas directas) ou mesmo quando apenas foi eleito (no congresso de há um ano)?
Em que é que esta sua tri-eleição mudou a sua posição, reforçou o seu poder, "calou" os seus opositores ou pacificou o partido?
Porque é que ele acha que "agora é que é"?

4. Mas perguntar-se-á também:
Que ganhou o "grupo parlamentar", ou individualmente cada um dos intervenientes?
Ficaram "legitimamente" mais politicamente autónomos?
Ou tudo continua como dantes, a direcção a pretender uma orientação política e o grupo parlamentar outra, mas ambos a quererem impor e a impor-se?

5. É um lugar comum dizer-se que o CDS é (já foi ...) o partido do taxi.
Porém nada obsta a que, insistindo-se no caminho que ele hoje atravessa (e que o congresso não mudou, como se há-de ver ...), ele possa vir ainda a ser o "partido da motorizada" ou mesmo "da bicicleta".
A falta de "sentido de estado" que se viu no congressonão augura nada de bom ...

6. Se, como "toda a gente" diz, há "interesses de poder" por detrás das posições do grupo parlamentar, que "interesses" há por detrás de Ribeiro e Castro?
E porque razão insiste ele tanto em querer ser líder?

7. Não obstante e para além de tudo isto, talvez não fosse pior que o CDS-PP percebesse que não é suficientemente "grande" para ser dar ao luxo de confrontos internos e "divisionismos".

E também seria bom que percebesse que é absolutamente necessário congregar e dar voz (designadamente parlamentar) à direita - a "todas" "as direitas" - de forma pragmática (sem "ideologismos etiológicamente puros"), se ele se quiser afirmar, designadamente em termos eleitorais.

Enquanto o CDS-PPP o não fizer, o PSD continuará a aproveitar-se eleitoramente de votos que nunca teria se as opções eleitorais se baseassem apenas em questões puramente "ideológicas"?

8. No final do congreso viu-se uma "lista" de "regressos".
Já é bíblico que "o bom filho à casa torna".
Mas parece que alguns dos regressados "andavam por lá" quando o CDS foi o "partido-do-taxi". Será que isso augura alguma coisa de bom?

Rescaldo ...

(Estádio D. Afonso Henriques - Guimarães)

Ora aqui está mais um estádio do EURO 2004 na Liga de Honra!

Comemoração

domingo, 7 de maio de 2006

BRIOOOOOOOSA!

"Quadratura do círculo"

António Lobo Xavier apoia Ribeiro e Castro para líder mas vota a moção de João Almeida.

Uma solução para os problemas do CDS-PP, sem necessidade de mais congressos ...

«... mais cansativo é um dia de trabalho no Ministério ... . Chega-se ao fim do dia completamente estoirado»


Para "grandes males grandes remédios": nada melhor para curar o cansaço que umas "sopas de cavalo cansado".

O recreio da escola

O que tem sido "mutuamente" discutido no congresso do CDS-PP, ficaria muito mais bem resolvido no terreiro do "recreio da escola", fazendo-se um risco na terra e esperando-se que o primeiro dos "discutores" tivesse a "coragem" de o pisar ...

O congresso do CDS-PP

O CDS-PP "não tem emenda" mas, em congresso, ainda é pior ...!

A "queima" como "destino" da "fitas"



Num fim-de-semana "escaldante" de um congresso com "fitas", eis o cartaz da verdadeira "queima" das verdadeiras fitas.

Uma vitória expressiva

Marques Mendes, concorrendo contra ninguém, ganhou as directas com 91% do votos expressos, ainda que só tenham votado 36% dos militantes recenseados.

Por outros números, registaram-se 64% de abstenções e deram o voto ao único candidato 33,4%, ou seja 1/3, dos militantes recenseados.

Será que, em boa verdade, esta vitória é assim tão expressiva ...?

Uma pergunta simplex

sexta-feira, 5 de maio de 2006
Será que a Imprensa Nacional - Casa da Moeda devolverá aos assinantes do Diário da República, versão papel ou edição electrónica, metade do valor dessa assinatura para 2006, já que o DR vai passar a ter acesso público, geral e gratuito a partir de Julho?

Memento homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris


Na sequência da decisão do ministro da saúde de encerramento de diversas maternidades, espalhadas um pouco por todo esse Portugal - decerto porque agora os "novos portugueses" já vêem "fabricados" do Brasil - a próxima medida a tomar pelo governo deverá ser a de encerrar os cemitérios dessas mesmas localidades, porque onde não nasce ninguém, não morre ninguém.

Eleitos directamente em congresso ...!

Será que Marques Mendes e Ribeiro e Castro teriam sido eleitos lideres dos respectivos partidos se, ao tempo da sua eleição em congresso, já estivesse em vigor o método da eleição directa?

Uma questão de "sinonímia"

Em declarações no final da reunião da Comissão Política Nacional do PS, o secretário-geral do PS, e primeiro ministro, fez questão de frisar que «este Governo não anuncia retomas», mas afirmou que os indicadores já disponíveis apontam para «uma evolução positiva, lenta mas gradual da economia portuguesa».

O que é que isto quererá dizer? Que vem aí a depressão?

Pelos vistos, não fumar é a maior causa de absentismo escolar!

Um estudo sobre o absentismo escolar baseado numa amostra de 557 alunos faltosos do 1º ciclo ao secundário revelou que um em cada três fuma.

A mesma realidade olhada de outro ponto de vista:

Um estudo sobre o absentismo escolar baseado numa amostra de 557 alunos faltosos do 1º ciclo ao secundário revelou que dois em cada três não fumam!