<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d12023629\x26blogName\x3dPharm%C3%A1cia+de+Servi%C3%A7o\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://pharmaciadeservico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://pharmaciadeservico.blogspot.com/\x26vt\x3d5339164314434841800', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

Pharmácia de Serviço

Há remédio para tudo ... pharmaciadeservico_at_gmail.com

Quem fala assim (não) é gago ...

quinta-feira, 30 de novembro de 2006
O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, nega que haja varias universidades e insitutos sem dinheiro para pagar o subsídio de Natal aos funcionários.

Ora aqui está um forma "airosa" de ver o (mesmo) "passeio"...

O ministro da Administração Interna considera que o passeio de ontem de profissionais da GNR, em Lisboa, não foi uma manifestação.

Se é por causa disso, têm toda a razão!

A obrigação de a banca informar o fisco dos esquemas de planeamento fiscal dos seus clientes vai permitir combater o assédio que os consultores fiscais fazem às empresas que pagam impostos, disse hoje o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

Na verdade, nada é mais repugnante e abjecto do que o "assédio planeador fiscal". É francamente nojento ... em especial para o fisco...

Já no que toca à sua violação do direito e da moral, levantam-se as maiores dúvidas ...

E se fosse ao contrário?

O Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas considera "absurdo" que a direcção de informação da emissora católica Rádio Renascença tenha tomado posição sobre o referendo ao aborto, defendendo a opção pelo "não".

Será que o mesmo Conselho Deontológico se apressaria a considerar também "absurda" uma posição da direcção de informação da mesma emissora, caso ela tomasse posição pelo "sim" no dito referendo ao aborto?

Revanche

Se o PSD solicitar, como diz que vai fazer, a fiscalização preventiva da constitucionalidade da Lei das Finanças Regionais e o Tribunal Constitucional detectar e declarar a existência de inconstitucionalidades na lei, quais vão ser as consequências daí resultantes?

É evidente que se está a falar das consequências para o dito Tribunal ...!

O que é que o governo ou a maioria parlamentar irão fazer para "punir" o Tribunal Constitucional pelo desaforo de "enfrentar"e "contrariar" a vontade "da maioria" (leia-se, do primeiro ministro) ...???

Ao balcão da Pharmácia


Há várias décadas que a nossa administração fiscal não sabe viver com a lei que tem, qualquer que esta seja. Por isso, todos os anos o Fisco altera as regras da sua relação com os contribuintes. É uma coisa patológica. Com isso tributa duplamente os contribuintes cumpridores. Além de lhes cobrar os impostos devidos, repercute sobre eles o preço da sua própria incompetência, sob a forma de incerteza jurídica, prepotência administrativa e incapacidade de vincular os incumpridores a um quadro legal estável.

A isto acresce o drama de a soberania fiscal estar entregue a obscuros funcionários do Fisco, que por esta altura natalícia escrevinham os seus mais perversos desejos sob a forma de propostas de lei, que são prontamente entregues na mesa da Assembleia da República subscritas por algum obscuro deputado. E assim nasce a Lei do Orçamento do Estado.

Manuel Anselmo Torres, Advogado, Especialista em Fiscalidade
hoje no Público

Os bois pelo nome ...

Na "hygiene" própria da Pharmácia inclui-se a prática do não uso de calão. Mas por vezes este princípio de "hygiene e salubridade" entra em insanável conflito com a necessidade de "chamar os bois pelo nome".

Vem isto à baila a propósito da notícia de que o Ministério das Ciência Tecnologia e Ensino Supeiror vai recorrer da decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra que o obriga à criação de uma vaga adicional no cursos de Medicina da Universidade de Coimbra para uma aluna que, passado tempo demais, viu finalmente publicada a sua (brilhante) nota do exame da Química, que o Ministério da Educação foi obrigado a realizar, nota essa que lhe permite um inequívo assento nos bancos da dita Faculadade.

A coberto do "direito ao "direito de recurso" que invoca, o que o Ministério visa, afinal, é arrastar "chicaneiramente", ao longo do corrente ano lectivo, a criação da necessária vaga, de modo a que quando esta chegar a ser criada, se chegar, isso de nada valer à aluna, que acabará por não "entrar" na Faculdade no corrente ano lectivo ou, se ainda o fizer, será tão tardiamente que nada aproveitará e, inexoravelmente, "perderá" o ano.

Ora isto não é mais do que uma reacção da mais pura sacanice e xico-espertismo à sentença do Tribunal, que ao tutelar legítimos direitos e expectativas da aluna, atribiliarimente atropelados e postergados por decisões governamentais, pôs a nu a forma compelatmente abusiva e discricionários como o governo se comporta no exercício dos seus poderes. Do que esta intenção de recorrer da decisão que obriga à criação de uma vaga adicional é, também ela, mais uma prova.

Ora, perante estes factos, a única forma singela de classificar a atitude do dito Ministério das Ciência Tecnologia e Ensino Supeiror é que se trata, inequívocamente, da mais miserável filhadaputice.

Felizmente há (luar) "fugas" de cartas "classificadas" ....

A Lusa divulgou ontem a carta classificada enviada a 9 de Novembro pelo CEMGFA a Nuno Severiano Teixeira, com um "parágrafo final manuscrito" onde "invoca o 'indeclinável dever de lealdade' para sugerir uma reflexão do ministro 'no sentido de evitar as graves consequências que se antevêem e que, em última análise, irão afectar o pilar essencial da segurança e defesa nacional que são as Forças Armadas'".

O chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) insurgiu-se ontem contra a divulgação da carta que enviou há 20 dias ao ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, sobre a premência de solucionar problemas que têm criado grande insatisfação nas fileiras, garantindo que eles estão resolvidos há pelo menos uma semana.

"Estas questões [constantes do memorando classificado] foram resolvidas. Nenhuma razão de queixa me assiste", frisou Mendes Cabeçadas.

????????????????????

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Candidato ...!!!

O novo malabarismo ...

quarta-feira, 29 de novembro de 2006

Senhorrrrrrras e senhorrrrrrres, estimadas crrrrrrriancinhas, carrrrrrrríssimos espectadorrrrrrrrrrrres:

... depois da prrrrrrrrrromessa de criação de 150.000 novos postos de trrrrrrrrrrrrabalho - cuja "aparrrrrrrrrrição" (só mesmo por "aparrrrrrrrrrição" ...) se continua a aguarrrrrrrrrrrrrrdar;

... depois do anúncio de um mirrrrrrrrrrrífico "choque tecnológico" - de que se aguarrrrrrrrrrrrdam ainda os efeitos;

... depois de uma constante prrrrrrrrrrropagande e de "mil e uma" iniciativas geniais e verrrrrrrrrrrrrdadeiramente supercalifragilisticexpialidocious

... o goverrrrrrrrno tem o prrrrrrrrazer de anunciarrrrrrrrrrrrr, no segumento do seu grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrandioso espectááááááááááááááááááááááculo, aaaaaaaaaaaaaaaaa

- "flexi-segurança"!!!!!!!

Palmas para ela............... !!!!!!!!!! .............................. um momento ................... um momentito, por favorrrrrrrrrrrrrr........

... inforrrrrrmam-me agorrrrrra dos bastidorrrrrres que .................................. afinal não se trrrrrrrrrrrrata da "flexi-segurança"............................. perrrrrrrrrrrrrdão ..................................... sim ....................... sim ...................... confirrrrrrrrrrrrma-se .......................... é mesmo a "flexi-segurança" mas "à portuguesa" ......................

...... mais palmas, por favorrrrrrrrrrrrrrr........

A posse ...


(by mail)

Ao balcão da Pharmácia


Quem fez parte da comissão, do grupo de trabalho, do núcleo produtor, do que quer que seja que um belo dia deu à luz a TLEBS? Ninguém?

Quem cozinhou uma coisa que se diz não obedecer a nenhuma teoria linguística específica não se apresenta?

Quem avaliza academicamente a cientificidade, a coerência e o rigor dessa culinária de compromissos sumiu-se?

Quem a conferiu na perspectiva dos ensinos básico e secundário, lhe deu a sua concordância, informou superiormente sobre ela e a levou a despacho do Governo é uma entidade difusa, obscura ou incógnita?

Quem analisou a coordenação do seu conteúdo com os restantes aspectos do ensino do português evaporou-se?

Quem ponderou os seus inconvenientes face à aprendizagem de línguas estrangeiras e à cooperação com os países de língua portuguesa desapareceu?

Quem decidiu mandar aplicar a nova terminologia por circular fica no anonimato?

Quem vai aferir progressivamente os resultados não tem rosto?

Quem certifica os novos manuais, em matéria tão confusa, não sai de um limbo turvo?

Quem anuncia a revisão periódica da TLEBS, mesmo que isso contrarie a validade dos livros escolares por seis anos, foi pregar a outra freguesia?

Quem previu a maneira como as crianças que começaram a aprender com uma terminologia vão passar a ter de utilizar outra não se assume?

De quem se trata afinal?

São sombras de recorte fantasmagórico? Funções predicativas? Ectoplasmas? Modificadores? Enteléquias? Disjunções? Lobisomens? Meras frases entrechocando-se à solta no espaço virtual? Espectros? Mónadas desgovernadas? O fantasma da ópera? Elfos vagueando ululantes pela calada das noites sem luar?


Vasco Graça Moura, Escritor
hoje, no Diário de Notícias

O que fará "correr" este senhor ...???

O antigo segurança José Esteves confessou, em declarações à revista Focus, ter preparado um engenho que terá feito explodir o avião que matou Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa no dia 4 de Dezembro de 1980.

Mas a que propósito vêm agora estas revelações?

Deviam ser apreciadores de cerveja ...

terça-feira, 28 de novembro de 2006
Cerca de 118 mil litros de vinho foram desperdiçados na Adega Cooperativa de Cantanhede após ter sido furtada uma espécie de "torneia" em cobre que vedava um balão de armazenamento de vinho.

O vinho armazenado no depósito ficou a jorrar pela adega ...

A advocacia anda mesmo pelas "horas da morte"...

A Ordem dos Advogados (OA) acusa as agência funerárias de exercerem actividades jurídicas sem que para isso estejam habilitadas ...

Porquê?



Desde o iníocio da sua construção que o Metro de Lisboa tem tido custos, pode-se dizer, "faraónicos".
O túnel do Terreiro do Paço, por exemplo, tem sido um verdadeiro "poço sem fundo" no que toca a dinheiros e despesas.

Então, porque razão é que "calha" sempre ao "desgraçado" do Metro do Porto andar "na baila"?

"Otra niña...???!!!"


Los Príncipes de Asturias tendrán en primavera otra niña

Para quem não se lembre, esta "niña" foi aquele filho dos Principes das Astúrias que foi anunciado "em primeira mão" ao Presidente Cavaco, a quando da sua visita a Espanha.

Como se vê, a "colaboração" de Cavaco no conhecimento do nascimento da criança não chegou para resolver o problema da (paridade na) sucessão no trono, mas ainda assim o nascimento da nova infanta dará imensa alegria ao povo espanhol ...

As noites das segundas feiras

Na noite de hoje, o tema da "tourada" é o ensino superior.

Para além da barafunda do debate, a única coisa que ressalta é que o ministro anda a ver se consegue fazer aquilo que nem mesmo os reitores, entre si, conseguiram: porem-se todos de acordo contra o ministro.

Pelos vistos, a mania do afrontamente e da provocação (a raiar um tanto uma grosseria boçal e uma certa falta de nível) já irradiou do "capataz" para todos os seus "ajudantes" ministros.

A propósito: o comparsa do ministro - um tal de professor Moniz Pereira - face ao seu desempenho televisivo, pode acalentar as maiores esperanças em "abichar" um lugarzito ou uma comissãozita governamental: conseguiu ser tão "grosso" e tão deselegante como o ministro e (ainda) "mais papista que o Papa".

Agressividades

segunda-feira, 27 de novembro de 2006
Em que consistirá este novo conceito jurídico de "planeamento fiscal agressivo"?

Será que é o reverso de "administração fiscal agressiva"?

Como é bom o banquete do poder ...


António José Seguro e João Soares estão entre os nomes eleitos em lista proposta pelo secretário-geral do PS para a Comissão Política Nacional do PS.

Eis que regressam as "forças de bloqueio" ...

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra decidiu que a co-incineração em Souselas só pode avançar depois de realizada uma avaliação de impacte ambiental, dando assim razão à acção judicial interposta pela Câmara Municipal de Coimbra e contrariando a vontade do Ministério do Ambiente.

Afinal, não é tanto assim ...

Vamos lá ver em que ponto vai ficar o "braço de ferro" entre os jornalistas e o governo, no que toca ao "encerramento" da Caixa de Previdência dos Jornalistas.

Ao que é sustentado pelos próprios jornalistas - para quem não saiba, jornalistas são aquelas senhoras e senhores que rapidamente poêm "pelas ruas da amargura" quem não lhes "caia no gôto" ou com quem eles "embirrem" - a dita Caixa de Previdência faz parte do património dos jornalistas, não como um privilégio de classe, mas como um patamar de qualidade e de direitos.

Para os jornalistas a sua CPAFJ reconhece a especificidade e importância de uma actividade constitucionalmente consagrada como estruturante do Estado democrático.

Ficamos a saber que para os jornalistas a sua Caixa de Previdência não constitui um privilégio (e porque é que haveria de o ser?). Outra coisa são os benefícios que proporciona, os quais podem ser injustificadamente desproporcionados (naturalmente, para mais) relativamente aos praticados noutros sistemas.
Mas se isso - esse "privilégio" - for suportado pelas próprias comparticipações dos profissionais, que mal tem isso?

Resta saber, contudo, se para os mesmos jornalistas, uma outra Caixa de Previdência de uma outra profissão constitui ou não um privilégio (e também aqui, porque é que haveria de o ser?) ainda que os seus associados sejam aconselhados a fazer seguros de saúde, e se também neste caso, essa Caixa reconhece a especificidade e importância de uma actividade constitucionalmente consagrada como estruturante do Estado democrático, ou não.

Espera-se pois que os jornalistas, que sustentam a posição que sustentam relativamente à sua Caixa de Previdência, a sutentem também relativamente, por exemplo, à Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores.

É que os jornalistas não se privaram fazer eco e de atacar motu próprio, sem apelo nem agravo, aqueles a quem o governo acusou de "privilegiados".

Porque é fácil ver um fósforo aceso em sua casa mas não ver o fogo em caso do vizinho.

"Estou convicto que vai fazer um sol do ......"

domingo, 26 de novembro de 2006
O ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia, manifestou-se hoje convicto de que "o pior já passou nos últimos dias" em relação ao mau tempo, mas aconselhou a população a manter-se informada, acompanhando o evoluir da situação.

Dizer isto é exactamente o mesmo que não ter rigorosamente nada para dizer ou não dizer rigorosamente nada.

Aliás, este ministro existe mesmo ...???

In memoriam

DISCURSO DO PRÍNCIPE DE EPAMINONDAS, MANCEBO DE GRANDE FUTURO

Despe-te de verdades
das grandes primeiro que das pequenas
das tuas antes que de quaisquer outras
abre uma cova e enterra-as
a teu lado
primeiro as que te impuseram eras ainda imbele
e não possuías mácula senão a de um nome estranho
depois as que crescendo penosamente vestiste
a verdade do pão a verdade das lágrimas
pois não és flor nem luto nem acalanto nem estrela
depois as que ganhaste com o teu sémen
onde a manhã ergue um espelho vazio
e uma criança chora entre nuvens e abismos
depois as que hão-de pôr em cima do teu retrato
quando lhes forneceres a grande recordação
que todos esperam tanto porque a esperam de ti
Nada depois, só tu e o teu silêncio
e veias de coral rasgando-nos os pulsos
Então, meu senhor, podemos passar
pela planície nua
o teu corpo com nuvens pelos ombros
as minhas mãos cheias de barbas brancas
Aí não haverá demora nem abrigo nem chegada
mas um quadrado de fogo sobre as nossas cabeças
e uma estrada de pedra até ao fim das luzes
e um silencio de morte à nossa passagem
.

Mário Cesariny (1923-2006)

Será que, afinal, o mundo não é redondo?

Caso o ocidente, em vez de ter uma matriz cultural e religiosa cristã, tivesse como religião dominante o islamismo, o hinduísmo ou o budismo, será que os europeus seriam o que são hoje?

Mas se, ainda assim, o fossem, criticariam e atacariam, eles próprios, os princípios e instituições da "sua" religião, como o fazem com a religião e a Igreja católica?

Efeitos do "conforto" do poder ...

As listas propostas pelo secretário-geral do PS, José Sócrates, para a Comissão Política e o Secretariado do partido foram aprovadas esta manhã sem qualquer voto contra, durante uma reunião da Comissão Nacional dos socialistas.

Mau sinal ...

Dá gosto trabalhar com este Governo, dá gosto trabalhar com este país!

Se o autor desta frase fosse, por exemplo, Cavaco Silva, nada seria de estranhar: dele tudo é de esperar; e tudo o que dele se espere está escrito, também, no manifesto da sua candidatura.

Porém a autoria da frase pertence nem mais nem menos do que a Jose Luis Rodriguez Zapatero, primeiro ministro espanhol.

Ora, depois das "velhaquices" que a Espanha regularmente nos vai fazendo, a dita frase deixa no ar um certo "cheiro" a "tourada"...

Mais um ...

A partir de ontem, passou a haver mais um (novo) "31": o "31 da Armada".

A vida para além de ...

Tal como há vida para além do défice, decerto que também há vida para além da evasão fiscal ...!!!

"Bomitação" e porcos...

sábado, 25 de novembro de 2006

O custo não aumentou ...


...somente fica bastante mais caro ...!!!

Finalmente um ministro "à antiga": nega as evidências ...!!!

O ministro dos Transportes e Obras Públicas negou esta sexta-feira a revisão em alta dos custos associados à construção do novo aeroporto da Ota, referindo que apenas se anteciparão investimentos decorrentes do atraso da obra.

Já que se fala de custos: 3,2 mil milhões de Euros é (era, foi ...) o custo estimado da construção do aeroporto da Ota.
Até quando durará?

Curvas e contracurvas


O ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Mário Lino, reiterou hoje disponibilidade para negociar com as autarquias isenções de pagamento de portagens em situações “em que não haja alternativa”.

Confiança às "fatias"

sexta-feira, 24 de novembro de 2006
O PCP retirou à deputada Luisa Mesquita a parte da confiança política relativa às suas funções de deputada na Assembleia da República, mas manteve a confiança no que toca à suas funções como vereadora na Câmara Municipal de Santarém...

Agora passamos a ter confiança política "às fatias" ...

Afinal, hoje não se "derrapa" ...mas amanhã, não se sabe ...


O presidente da Naer, Guilhermino Rodrigues, negou a existência de um acréscimo do custo para a construção do novo aeroporto da OTA, garantindo que «neste momento não há nenhuma razão para rever os custos de construção do aeroporto da OTA».

Quem terá mandado usar "correntes"?

Incongruência ...


O líder popular é o menos popular ...!!!

A delação no Estado ou o Estado-KGB


Os advogados e os consultores poderão ser obrigados a divulgar às Finanças o planeamento fiscal que desenvolveram para os seus clientes, independentemente do sector de actividade.

A intenção foi incluída pelo PS na proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano.

As "derrapagens" do costume ...



A Naer - Novo Aeroporto, empresa criada para orientar a preparação dos trabalhos da Ota, vai ser obrigada a rever em alta os custos de construção da infra-estrutura, previstos inicialmente entre 3,1 e 3,2 mil milhões de euros.

Passeios higiénicos ...

quinta-feira, 23 de novembro de 2006
A passo:
  • Militares
Vão passear:
  • Deputados comunistas ...

Excessos do vento


Nesta ânisa de perseguição por tudo e por nada que o actual governo demonstra, não deveria ele mandar uma brigada da polícia, devidamente munida com radar, multar à sua passagem, por excesso de velocidade, as rajadas de vento que se anunciam para amanhã, pois ao que consta, irão ter velocidades de 150 km/h?

Quais consequências?

«A realizar-se essa manifestação ilegal, não deixará de ter as consequências previstas na lei. Se não prevalecer o bom senso, haverá consequências disciplinares», avisou Pedro Silva Pereira no final da reunião do Conselho de Ministros.

Mas quais consequências?

Demitem-se todos os militares, acaba-se de vez com estas forças armadas e depois contratam-se novos "guerreiros" que façam "passeios" de apoio ao governo (naturalmente, com a devida autorização do Governo Civil)?

Aposentam-se compulsivamente apenas os dirigentes das associações envolvidas?

Os "passeantes" são sancionados com uma pesada pena de multa (o que tem a inegável vantagem de, ainda por cima, gerar receita...)?

Mandam-se todos para o Afeganistão, e ainda por cima, com a obrigação de pagar as viagens?

Seria bom que o governo esclarecesse ...

Já é meio caminho andado ...

A Direcção-Geral dos Impostos (DGCI) tem em curso, desde a passada sexta-feira, uma acção maciça de penhora de certificados de aforro a contribuintes com dívidas ao fisco.

Porém, a coisa só ficará como deve ser quando o fisco começar a penhorar certificados de aforro a quem (ainda) não tenha dívidas ao fisco.
Assim previnem-se desde já futuras dívidas e/ou fugas fiscais.

Porque nisto de impostos, homem (das finanças) prevenido, vale por dois.

Mais uma confirmação da lei da oferta e da procura ...

Portugal é o país da União Europeia onde a cannabis é mais barata, à média de 2,3 euros por grama, longe dos 12 euros pratica dos na Noruega, ou dos cinco a dez mencionados na maioria dos Estados.

Lapidar

As manifestações ilegais não devem realizar-se em Portugal. Neste país , toda a gente tem o direito de se manifestar, desde que o faça em respeito pela lei.

Sócrates, primeiro-ministro.

"De boca a orelha", por interposta pessoa ...

Visto que a Autoridade da Concorrência é uma entiade independente, sobre a qual o governo não tem qualquer poder de intervenção conformativa ou tutelar, a solução para lhe mandar um recado governamental passa por outra entidade independente - o Presidente da República - a chamar ao seu gabinete e dizer-lhe o que o governo lhe queria dizer, mas não pode...

Independência sim, mas não tanto ...

Os contribuintes, esses malandros...

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, João Amaral Tomaz, culpou os tribunais pela lentidão no combate à fuga aos impostos, afirmando que o esforço da administração "acaba por esbarrar numa justiça excessivamente lenta, que tarda em sancionar os criminosos".

O senhor secretário de estado, que se mostra muito lesto a culpar os tribunais - decerto que por lapsus linguae, pois que se deveria querer referir aos juizes, essa classe de privilegiados - é também muito lesto a esquecer que é ao mesmo poder político, na sua vertente legislativa, que cabe aprovar as leis que os tribunais se limitam a aplicar.
Ora é de acordo com essas leis que se rege o processo e a actuação dos juizes (que, como toda a gente sabe, não é discricionária) e é também de acordo com essas leis que os particulares recorrem aos tribunais e aí utilizam os mecanismos que elas lhe proporcionam para se defenderem, o que (parece que ainda) é um legítimo direito.

Por outro lado, as insuficiências materiais dos tribunais, designadmente em instalações adequadas, juizes e funcionários em número sufuiciente e recursos materiaias adequados, funcionais e em funcionamento, são da responsabilidade do mesmo poder político.

De acordo com o governante, uma das armas de que o Estado dispõe para contrariar a fuga é "aumentar o grau de percepção do risco", porque quanto maior for a probabilidade de um criminoso ser apanhado, maior é o factor de dissuasão.

Nada melhor para que todos acatem submissamente as imposições tributárias do Estado, por mais exorbitantes e atribiliárias que sejam, que instituir um regime de "terror fiscal".
Assim, partindo-se do princípio que todos os cidadãos são potenciais delinquentes fiscais - parafraseando Lombroso, são criminosos natos fiscais - o melhor será mesmo começar a persegui-los ainda antes de terem que pagar impostos.

Neste sentido, uma medida que desde logo se impõe é colocar à saída das maternidades um fiscal dos impostos que registe e atribua um NFC a cada recém-nascido que transponha as portas do conforto natalício para entrar no mundo do crime fiscal e logo lhe aplique uma inspecção aos documentos ou uma multa por tardia inscrição no registo dos contribuintes.

Indispensável

... porque quem anda à chuva, molha-se.

Pouco crescimento

Comparando as médias observadas no período anterior à introdução do euro (1992-98) e as registadas nos anos seguintes (1999-2005), chega-se à conclusão de que a economia portuguesa desacelerou de uma taxa de crescimento em torno de 2,4% para apenas 1,8%, o que representa a maior travagem entre os doze países que adoptaram o euro.

A isto chama-se "ananismo económico".

Ao balcão da Pharmácia

quarta-feira, 22 de novembro de 2006

















Num site do Ministério da Educação (http/www.dgidc.minedu.pt/ TLEBS/CDMateriaisDidacticos/ trabalhos/90_Lusiadas _3C.ppt), pode encontrar-se a TLEBS [Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário] aplicada à análise de uma estrofe de Os Lusíadas (II, 12), destinada aos alunos do 9.º ano e qualificada como "corpo linguístico ambíguo".

A estrofe é esta: Aqui os dous companheiros conduzidos / Onde com este engano Baco estava, / Põem em terra os giolhos, e os sentidos / Naquele Deus que o mundo governava. / Os cheiros excelentes, produzidos / Na Pancaia odorífera, queimava / O Tioneu, e assim por derradeiro / O falso Deus adora o verdadeiro.

3. Mas há outras coisas pungentes. Noções reaccionárias como sujeito, predicado, complemento directo, complementos circunstanciais, dão lugar a embrulhadas rebarbativas que, do ponto de vista da aprendizagem dos jovens, não adiantam absolutamente nada.

Basta ver como os complementos "...em terra" e "... os giolhos" são descritos. Para o primeiro, temos: "núcleo de um complemento preposicional em posição pós-verbal, constituindo uma unidade sintáctica que serve de locativo à forma verbal põem" e, para o segundo: "núcleo de um grupo nominal que constitui o complemento directo da expressão predicativa anterior". Por sua vez, "... e os sentidos naquele Deus que..." é explicado como "núcleo de um grupo nominal equivalente ao anterior, regido pela conjunção copulativa e que o transforma em complemento directo da expressão predicativa formada pela forma verbal põem".

4. "... produzidos na Pancaia odorífera..." é apresentado como "núcleo de um complemento preposicional seleccionado pela forma verbal 'produzidos' como argumento indispensável". O que é que um aluno vai compreender quanto ao argumento indispensável? De resto, pôr os joelhos em terra e produzir na Pancaia é assim tão diferente? Na Pancaia já não serve de locativo à forma verbal produzidos?

5. "... os cheiros excelentes" acarretam o odor evanescente de um "núcleo de um grupo nominal com função de complemento directo e um Modificador adjectival, em posição de atributo"...

6. "... com este engano Baco estava..." explica-se como "verbo copulativo aqui a assumir um valor absoluto ao dispensar o nome predicativo do sujeito - predicado de uma unidade de hierarquização também secundária". Como é que os alunos vão entender que, muito simplesmente, aquele "Baco estava" quer dizer "Baco encontrava-se ali"?

7. "... e assim por derradeiro, o falso Deus adora o verdadeiro" dá lugar a esta trapalhada: "Predicado da frase que constitui uma oração coordenada copulativa/conclusiva (ligada à anterior pela locução conjuncional e e o conector de valor conclusivo assim)". Parece que toda a frase é o "predicado da frase"

E o que será pegar em todos os dicionários e onde, na entrada "assim", vem indicado advérbio, alterá-los para se incluir "conector de valor conclusivo"?

8. "Por derradeiro" implica a seguinte explicação deveras transparente: "complemento preposicional aparentemente modificador do sujeito 'falso Deus' no que constituiria uma oração subordinada causal. Na verdade, no contexto, a expressão indica 'Por fim; finalmente' e reforça o valor conclusivo dos elementos anteriores". Quer dizer: formula-se uma hipótese desnecessária, antes de se dar a informação correcta...

...

O ódio à Literatura atinge o seu paroxismo nestes modelos de autópsia.

Vasco Graça Moura, Escritor
hoje, no Diário de Notícias

Nem valia a pena ...

O presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, dá hoje posse à comissão de inquérito parlamentar sobre o "Envelope 9", que se será presidida pelo deputado socialista Vera Jardim.

Nem era preciso qualquer comissão. Já se está mais que a ver que com uma comissão maioritariamente PS, a culpa de tudo o que aconteceu foi de ... Souto Moura.

É no que dá dinheiro a mais ...

Entretanto, continua na posse do Sporting a última prestação da verba acordada para a contratação do jogador (referente aos direitos de imagem), que nunca foi solicitada para pagamento nem por José Veiga nem pelo jogador. São cerca de 850 mil euros que deveriam ter sido pagos já em 2004, mas que nunca foram reivindicados pelo ex-dirigente do Benfica ao contrário das prestações anteriores. Segundo o PÚBLICO apurou, os responsáveis do Sporting só emitiriam a ordem de pagamento mediante a entrega de um recibo e este não chegou a dar entrada em Alvalade, por razões desconhecidas.

Enquanto muitos, neste país, no seu struggle for life, contam até ao (último) cêntimo os parcos recusos do seu magro quotidiano, outros há, que "pensando com a cabeça dos dedos dos pés", se premitem esquecer de receber 850.000 €.

Tudo isto (não receber esta quantia mas também aufeirir as quantias pagas no mundo do futebol) é vagamente indecoroso ...

Ele não há uns ditados ...???

O Governo espanhol vai introduzir uma série de alterações no seu mercado de electricidade que vão afectar de forma profunda o Mercado Ibérico de Electricidade (Mibel) e apanharam de surpresa o Executivo português, mesmo à porta de mais uma cimeira luso-espanhola.

As medidas, cuja extensão de consequências ainda não é conhecida na sua totalidade, implicam para já que a bolsa espanhola de energia, Omel, que até agora se dedicava apenas ao mercado spot (diário) passe a funcionar sobretudo com operações a prazo. Estas, de acordo com o tratado internacional do Mibel em vigor, deveriam ser feitas pela bolsa portuguesa de energia, Omip. É, aliás, o que faz desde a sua entrada em funcionamento, em Julho passado, com evidente peso das operações para o mercado espanhol, cerca de cinco vezes superior ao português. A grande incógnita, neste momento, é se as empresas de electricidade espanholas continuarão a ser obrigadas a comprar, no Omip, cinco por cento da energia para o mercado com tarifa regulada. Para esta disposição se manter, e que garantia uma parte importante da actividade do Omip, é necessário que Madrid a renove, já que ela em Espanha está em vigor apenas até ao final de Dezembro.

Parece que entre nós há um ditado qualquer em que há alguém que "é sempre o último a saber"...

Mas há também um outro ditado que diz que "o vento e o casamento" vindos de certa direcção nunca são bons ...

Continua a perseguição

As Finanças prosseguem a sua inexorável e incansável perseguição à fuga fiscal dos que já se encontram "dentro" do sistema fiscal - ou seja, daqueles que têm já, de um modo ou de outro, "relações" (cruzes canhoto...!!!) com o Fisco.

Os outros, os que vivem "paralelamente" às Finanças - e como se ensinava na escola primária, quando aí ainda se ensinava, paralelas são duas rectas que por mais que se prolonguem nunca se encontram - esses vão ter a felicidade de até ao fim da vida nunca se cruzarem com um cobrador de impostos ...!!!

Só agora visto ...

...este texto sobre Santana Lopes e a sua prestação televisiva, no sempre incisivo Combustões.

Nem (de) mais, nem (de) menos ...!!! Quantum satis ...!!!

Já começaram os "arranjinhos" ...


As chefias militares receberam, esta terça-feira, uma circular do Governo que garante direitos adquiridos quanto à reforma dos militares que passaram à reserva até 31 de Dezembro de 2005, disse à agência Lusa fonte militar.

Chama-se a isto "pequenos ajustes" para calar a contestação, segundo a velha teoria de que "se um crocodilo te ataca, dá-lhe um braço para ele não te comer todo" ...

Disse Rivoli?

terça-feira, 21 de novembro de 2006
A Festa da Música acaba por falta de verbas. O Centro Cultural de Belém (CCB) pôs um ponto final no projecto que ao longo de sete anos levou até Belém, além de melómanos encartados, muitos jovens que se iniciavam na música clássica.

A propósito:

1. O Rui Rio agora também gere o CCB?

2. Então o cancelamento da Festa da Música já não merece uma "Rivolição"?

3. Ninguém ocupa o CCB?

Nada de novo na frente leste ...


O Kremlin considerou ontem que o envolvimento russo no alegado envenenamento do ex-espião Alexander Litvinenko é um completo "disparate".

"Não temos nada que ver com o que aconteceu a Litvinenko", declarou, à AFP, o porta-voz dos serviços secretos encarregues da espionagem no estrangeiro, Serguei Ivanov.

Estranho seria a confissão do envenenamento ...!!!

Aumentos médios ...


As portagens das auto-estradas vão sofrer um aumento médio de cerca de 3% a partir do início do ano.

As obras na A1 também ...!!!

Ora digam lá: efeitos da obra de quem ???

A segurança social espanhola deverá registar este ano um excendente de 11.900 milhões de euros, cerca de 1,2 por cento do produto interno bruto (PIB), valor recorde que quase duplica a estimativa inicial do Governo.

O acórdão...

... do Tribunal Constitucional sobre o referendo sobre o aborto.

Mas porquê?

segunda-feira, 20 de novembro de 2006
O ministro da Justiça, Alberto Costa, considerou hoje «extremamente irresponsável levantar suspeitas» sobre a reunião que teve lugar a semana passada entre o governo e o Procurador-Geral da República, Pinto Monteiro.

Mas porque é que alguém haveria de levantar suspeitas sobre uma reunião com o Procurador Geral da República onde até participou o Ministro das Finanças e da Administração Pública ...??? ... Sim, porquê...???

Orfandade

É confrangedora a "orfandade" ainda sentida no PSD, ao fim de dez anos de cavaquismo, de mais uns tantos de "deserto político" e uns mais recentes de governação (que, aliás, o próprio PSD se encarregou de deitar "pelo cano abaixo") que se revela nas reacção às declarações de Cavaco na recente entrevista à SIC e no sentimento, que a elas subjaz, de que Cavaco tem uma obrigação de "acautelar" o partido, como se (ainda) fosse o seu "anjo da guarda".

O PSD parece esquecer-se que a sua grandeza, nos tempos de Cavaco, se deveram exclusivamente ao próprio Cavaco. E que Cavaco sabe disso.

Aliás, as recriminações vindas do PSD sobre as declarações mais que previsíveis de Cavaco a propósito da governação Sócrates - depois de todos os sinais anteriores - apenas revelam duas coisas:
- por um lado, uma mais que notória falta de convição e de confiança própria na valia das suas ideias e na força da sua oposição;
- por outro, um indisfarçavel sentimento de "donzela ofendida" que, apoiando Cavaco nas presidenciais, assim mostrava a sua escolha como o seu "cavaleiro andante", e dele esperava que, após a sua vitória eleitoral, erguesse a sua lança e, "à chanfalhada", mandasse, de imediato, "para as profundas dos infernos" o "cavaleiro negro" do Sócrates, "repondo no trono" a sua donzela ...!!!

Ora Cavaco tem mais que fazer. Pretendendo cumprir o seu programa e calandários políticos - que verdadeiramente só ele conhece - não está, agora, para tecer armas pelo (ex-seu) PSD.

Por agora, o governo PS, se não "mijar (demasiado) fora do penico" tem campo livre à sua frente. A troco disso, haverá de apoiar Cavaco na reeleição para o seu segundo mandato.

Depois, Cavaco poderá seguir uma "práctica" que se está a tornar quase "constitucional" dos Presidentes deixarem no poder, no final dos segundos mandatos, o partido a que pertenceram. Ou então deixará para o PSD o trabalho que só a este deve caber: conquistar o poder.

Mas, até lá, que não nos doa a cabeça.
Entretanto, já é mais que tempo do PSD se deixar de "orfandades" infantis.

The world on you depends

sábado, 18 de novembro de 2006


The Doors - Riders On The Storm

Finalmente a pólvora foi descoberta...


O dirigente do Bloco de Esquerda Francisco Louçã considera que os elogios do Presidente da República ao primeiro-ministro são um sinal de que o país está a ser governado "pela coligação Sócrates-Cavaco".

Ólh'ó "share" fresquinho ...

sexta-feira, 17 de novembro de 2006

Santana bate Cavaco nas audiências

Tão certo como a morte ...

Desde ontem à noite, o que o primeiro ministro tem garantido, tão certinho como a morte, é que um dia, sem se dar conta nem perceber a razão, vai ser atirado "borda fora" pelo Presidente Cavaco. "Sem saber ler nem escrever" ...!!!

O mal é já não se saber latim...

Pacta sunt servanda. (para quem não saiba, fica o significado)

Isto era assim in illo tempore.

Doravante nada mais vai ser como era.

A partir de agora, com o diploma governamental aprovado, quem tenha assinado um contrato de empréstimo com um banco pode vir dizer que, afinal, não se comprometeu com nada do que aí era estipulado. E, por isso, pedir o "regresso" do que pagou conforme tinha contratado ...

Aliás, isto não é estranho ou de estranhar.
Representa, pura e ismplesmente, a extensão à matéria contratual dos mesmíssimos "princípios" (lagarto, lagarto, lagarto...) de quem prometeu não subir os impostos e não pôr portagens nas SCUT e imediatamente aumentou os impostos e portajou as ditas auto-estradas.

Ora digam lá se não é uma ideia muito boa...

... a criação de um procurador-especial junto da Assembleia da República...???

Em abstracto, quem "dominasse" o parlamento (por exemplo com uma maioria absoluta) dominaria as comissões de inquérito, logo a designação de procuradore especiais...

Isto é que ia ser o PS a "vingar-se" das "cabalas" ... Em abstracto, claro ...

12º ano "de aviário"; e porque não licenciados ...??? (mas doutorados é que era mesmo bom ...)

2006-11-16

Ministério da Educação
Reconhecimento
de competências ao nível do secundário


A operacionalização do Referencial de Competências-Chave ao nível do ensino secundário contribui para a consolidação deste nível de escolaridade como patamar de qualificação dos portugueses, através do processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências.
O lançamento do Referencial de Competências-Chave para a Educação e Formação de Adultos − Nível Secundário constitui um marco decisivo para o aumento da qualificação da população adulta,
contribuindo, de forma decisiva, para a consolidação deste nível de escolaridade como patamar de qualificação dos portugueses.
No quadro da União Europeia (UE), Portugal é um dos países que revela mais baixos níveis de qualificação escolar e profissional da população adulta.
Cerca de 3 500 000 dos actuais activos têm um nível de escolaridade inferior ao ensino secundário, 2 600 000 dos quais têm um nível de escolaridade inferior ao 9.º ano;
Entre a população mais jovem (18-24 anos), cerca de 485 mil jovens adultos estão a trabalhar sem terem concluído o 12.º ano, 266 mil dos quais sem terem terminado o 9.º ano;
Menos de 50 por cento dos jovens adultos (20-24 anos) não concluíram o ensino secundário, enquanto a média da UE se situa acima dos 75 por cento.
Para inverter esta situação, a iniciativa Novas Oportunidades estabeleceu uma meta ambiciosa, de acordo com a qual, até 2010, 650 mil adultos deverão passar por um processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC), tendo em vista a obtenção de certificação equivalente ao ensino básico ou secundário.
A operacionalização do Referencial de Competências-Chave ao nível do secundário, essencial para atingir a meta definida, ao mesmo tempo que permite o reconhecimento dos saberes e das competências adquiridos ao longo da vida, possibilita o desenvolvimento de processos de formação flexíveis, realizados de acordo com as necessidades pessoais e profissionais de cada adulto.
A partir de Janeiro, cerca de 50 dos 270 Centros RVCC actualmente em funcionamento estarão em condições de avançar com este processo, que se destina a adultos com 18 anos ou mais, com um mínimo de três anos de experiência profissional e que não tenham concluído o ensino secundário.
Tendo em conta o Referencial de Competências-Chave de nível secundário, os candidatos começam por demonstrar as competências que adquiram ao longo da vida, tanto em contexto escolar quanto através da experiência pessoal e profissional, em três áreas de competências-chave: Cidadania e Profissionalidade; Sociedade, Tecnologia e Ciência; Cultura, Língua e Comunicação.
Esta demonstração processa-se com base na construção de um portfólio, onde os adultos explicitam as experiências que consideram significativas para obterem a certificação pretendida.
Consoante a avaliação feita pelos técnicos dos centros e depois de identificadas as lacunas dos candidatos, os adultos podem ter de realizar acções de formação complementar de curta duração, a decorrer no próprio centro ou nalguma entidade associada, ou podem ser encaminhados para um Curso de Educação e Formação (EFA), com a indicação do percurso que devem desenvolver.
Os cursos EFA, organizados por módulos, possibilitam uma resposta flexível, ajustada a cada adulto, permitindo que cada candidato frequente apenas a formação de que necessita.
O processo fica concluído com a apresentação e discussão do portfólio, que deverá demonstrar as competências adquiridas pelo adulto, perante um júri. Se o júri reconhecer essas competências, valida-as e é emitido um certificado equivalente ao ensino secundário.
Este processo enquadra-se no âmbito das recomendações comunitárias relativamente à valorização e validação das aprendizagens adquiridas em diversos contextos, numa perspectiva de aprendizagem ao longo da vida.



Ora a razão que leva a que assim se proceda nestes casos deve levar também, por maioria de razão, a que nos casos em que alguém não tenha conseguido concluir a "sua" licenciatura ou gostasse mesmo muito de ser chamado de "Senhor Doutor", "Senhor Engenheiro" ou, quiçá, "Senhor Arquitecto", pudese obter o grau de licenciatura através de um proceso de reconhecimento dos saberes e das competências adquiridos ao longo da vida, com recurso a processos de formação flexíveis, realizados de acordo com as necessidades pessoais e profissionais de cada adulto.

Aliás, tudo isto até está muito mais facilitado com os "cursos-bonsai" "bolonheses", que por serem mais pequenos não pressupõem muitos "saberes" nem exigem o exercício de um grande volume de "competências".

Se esta medida fosse adoptada, era garantido que conseguríamos ultrapassar rapidamente a média europeia de licenciados por país.

E se prossegíssemos nesta senda e aplicássemos este mesmos mecanismos de construção de portfolios de "saberes" e "compeências" aos doutoramentos, rapidamente passaríamos a ser o país mais ilustrado da Europa.

E é tão fácil ... Basta aprovar um decreto-lei ...!!!
Vamos lá, então ...!!! De que estão à espera ...???

e razoabilidade ...


O Governo anunciou esta quinta-feira que o aumento das tarifas da electricidade não vai ser maior que 6%.

Segundo o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Jorge Lacão, «este aumento é inferior ao que é previsível para Espanha e vem alargar o prazo de défice tarifário de 3 para 10 anos», acrecentando que «é um valor razoável».

Aliás. o aumento é tão razoável, tão razoável, que é mesmo inferior à percentagem de aumento dos salários ... Ou será que não ...???!!!

Marianne ...???






Garantia do desengano


Depois da entrevista, os votantes de Cavaco Silva podem ficar descansados: não vai ser por ele que o governo do PS vai cair.

Se estavam à espera de outra coisa ou de outro tipo de actuação (decerto que não, pois quem votou Cavao só pode ser uma pessoa esclarecida ...) desenganem-se ...

As entrevistas

quinta-feira, 16 de novembro de 2006
Ao que parece, o Presidente Cavaco Silva não se importa mesmo nada de aparecer na televisão em entrevista, num horário que parece metido "à pressão" (é a impressão que dá ...) exactamente "em cima" de uma outra, de Santana Lopes, que à mesma hora (mais minuto menos minuto) passava noutro canal de televisão.

Ora isto não deixa de dar a impressão que Cavaco, apesar do desdém que aparenta por Santana, nutre por ele uma indigerível "azarina", de tal modo intensa que até se presta a estas "figuras". A cereja sobre o bolo seria agora Cavaco analizar os "shares" (ele não faz isso, do mesmo modo que também não lê jornais ...) das duas entrevisas, para verificar se teve mais audiência que Santana ...

Há tipos que não se curam: nascem, vivem e morrem pequeninos ...

In illo tempore ...

Era uma vez, uma gramática, antes do TLEBS, que dizia assim ...


Morfologia

A - Flexão das palavras:



Variáveis
Invariáveis

B - Categorias gramaticias:



Género
Número
Grau
Pessoa
Voz
Modo
Tempo
Aspecto

C - Classes das palavras



Substantivos
Artigos
Adjectivos
Numerais
Pronomes
Verbos
Advérbios
Preposições
Conjunções
Interjeições

Sintaxe

A - Construção

I - Concordância
Nominal
Verbal


II - Regência
Nominal
Verbal
Adverbial

III - Colocação
Ordem directa
Ordem indirecta

IV - Coordenação

V - Subordinação

VI - Correspondência dos tempos


B - Funções sintáticas

I - Na oração

1. Elementos fundamentais da oração:
Sujeito
Predicado

2. Elementos complementares da oração:
Complemento directo
Complemento indirecto
Agenta da passiva
Complemento determinativo
Atributo
Aposto
Complemento circunstancial:
de lugar
de tempo
de modo
de causa
de fim
de meio
de instrumento
de matéria
de companhia

3. Vocativo

4. Expressão de realce

5. Núcleo

II - No período

1. Tipos de período:
Simples
Composto

2. Composição do período:
Por coordenação
Por subordinação

3. Classificação das orações
a) Absolutas
b) Intercaladas
c) Coordenadas:
Copulativas
Disjuntivas
Adversativas
Conclusivas
Explicativas
d) Subordinantes
e) Subordinadas:
Substantivas
Adjectivas e relativas
Adverbiais

C- Espécies de discurso:
Directo
Indirecto
Indirecto livre


... mas veio o TLEBS e ficou assim ...

As coisas tal como o são ...!!!


Na realidade, foi pouco mais de metade dos juizes do Tribunal Constitucional que aprovou a pergunda do referendo sobre o aborto.

Duas perguntas muito simples:


1. Há Embaixada e Consulados de Portugal na Holanda?

2. O que é que eles fazem?

Ditado ...


A minha galinha é melhor que a tua vereadora ...!!! (ou, pelo menos, conseguiu arranjar pretexto para "correr" com ela...)

Nova edição


É desta que vai haver nova edição do "bloco central", agora na Câmara Municipal de Lisboa.

Não será bem, bem, um "bloco contral", porque o PS não tem "confiança" no "seu" vereador a quem a retirou. Mas é já uma "aproximação" ...

Saídas profissionais para professores

quarta-feira, 15 de novembro de 2006
Apoio às bibliotecas, manutenção dos edifícios, apoio jurídico, apoio social, orientação vocacional ou comunicação com a família. É este o destino que a ministra da Educação reserva aos professores sem horário atribuído.

Sugerem-se ainda à senhora ministra outras possibilidades:

Abatjoureiro
Abridor de Palhetos – Peles
Acrobata
Afinador de Chapéus de Feltro
Agente da Brigada de Trânsito da Guarda Nacional Republicana
Agente de Cobrança e Leitura
Agente Sanitário (ver Desinfectador)
Agentes de Polícia
Agricultor – Agricultura de Subsistência
Albardeiro
Amassador
Amestrador de Animais
Amolador de Cutelaria
Apanhador de Algas
Árbitro Desportivo
Arboricultores – Árvores e Arbustos
Arrumador de Sala de Espectáculos
Ascensorista
Assentador de Manilhas de Grés e Cimento
Astrólogo
Atarraxador Mecânico – Trabalho em Série dos Metais
Atleta Profissional, em Geral
Auxiliar de Apoio Administrativo (ver Contínuo)
Bagageiro
Bandarilheiro (Peão de Brega)
Banheiro – Concessões Balneares
Barbeiro
Bataneiro (ver Pisoeiro)
Bengaleiro (Guarda de Vestiário)
Bilheteiro
Boletineiro
Bombeiro Marítimo (Bombeador)
Bombeador (ver Bombeiro Marítimo)
Bordador à Mão
Borrifador de Tecidos
Brochador Manual
Brochador Mecânico
Broquista
Brunidor Mecânico
Cabo de Varandas
Cafeteiro
Calafate
Caldeireiro
Calista
Cambista ("Dealer")
Caneleiro
Capataz de Manobras
Carregador
Carvoeiro
Chefe de Banda
Colchoeiro
Colocador de Anúncios (Montador de Anúncios)
Comprador de Espaço e Tempo – Publicidade
Confeccionador de Carimbos de Borracha – Prensa de Vulcanização
Cônsul
Contínuo (Auxiliar de Apoio Administrativo)
Controlador da Preparação de Chá
Correspondente em Línguas Estrangeiras
Coveiro
Dealer (ver Cambista)
Decapador por Processos Químicos
Decorador a Pincel
Demonstrador
Descarnador Mecânico
Desembaraçador
Desgarrador (Aparador) – Peles
Desidratador – Géneros Alimentares
Desinfectador (Agente Sanitário)
Desmeadeiro
Destilador de Bebidas Alcoólicas
Detective Particular
Director de Escola
Director Geral
Disk-Jockey
Dobrador Manual – Encadernação
Electricista Auto
Electricista-Montador de Instalações de Alta Tensão
Electromecânico, em Geral
Embalador (Enfardador) Manual
Empregado de Lavabos (Empregado de Balneário)
Encalcador
Encerador
Enchedor de Bonecos de Pano
Enfardador (ver Embalador Manual)
Enformador de Cones de Feltro – Chapelaria
Engomador Manual
Engraxador
Enrolador de Tecidos
Entrançadeiro-Caneleiro
Escafandrista (ver Mergulhador)
Escritor
Esfarrapador
Especialista das Ciências Políticas
Estendedor Manual
Estivador
Feitor, Encarregado (ver Caseiro – Exploração Agro-Pecuária)
Ferrador
Ferreiro (ver Forjador Manual)
Forjador – Martelo Pilão
Funileiro – Latoeiro
Gaspeador (Cravador) – Calçado
Guarda de Passagem de Nível
Guarda Florestal
Guarda Rios
Guarda-Freio – Carros Eléctricos
Guarda-Nocturno
Higienista Oral
Ilusionista
Imediato
Impregnador – Madeira
Impressor – Prensa de Contacto
Inseminador Artificial
Inspector de Educação
Inspector do Trabalho
Intérprete de Língua Gestual
Lapisador – Lápis de Lousa
Lavadeira Manual
Lavadores de Vidros, de Veículos e Colocadores de Anúncios
Limpa-Chaminés
Limpador de Fachadas
Lixador (ver Raspador)
Magarefe
Maleiro
Manequim
Manipulador de fósforos
Mecatrónico
Metalizador de Vidro de Óptica
Meteorologista
Moleiro – Moinho de Vento ou Água
Observador Geofísico
Oficial de Martelo (ver Caldeireiro da Prata)
Oleiro Enchedor
Oleiro (Formista) de Lambugem
Operador de Fabrico de Forros para Saltos
Operador de Guilhotina
Operador de Instalação de Banhar Telas em Látex (ver Operador de "Gum-Dip" – Borracha)
Operador de Máquina de Chanfrar
Operador de Máquinas do Fabrico de Anzóis
Operador de Máquinas do Fabrico de Fechos de Correr
Operador de Máquinas do Fabrico de Lápis de Madeira
Operador de Saca-Bocados
Parte
Padeiro, em Geral
Palhaço
Passamaneiro Manual
Pastor – Gado Ovino e Caprino
Peão de Brega (ver Bandarilheiro)
Pinceleiro
Pisoeiro (Bataneiro)
Plissador Mecânico
Preparador de Palmilhas Internas
Preparador de Pêlo
Rebarbador Mecânico
Rendilheiro de Bilros (Rendeiro de Bilros, Feitoreiro de Bilros)
Revistador de Cones de Feltro
Riscador
Sacristão
Santeiro
Sapateiro, em Geral
Telhadores
Torcedor (Retorcedor)
Tosquiador
Trapezista
Tratador de Animais
Treinador Desportivo
Tripeiro
Urdidor Manual
Vinagreiro

Amanhã

Em certa reunião familiar, pergunta uma senhora:
- Dizem-me que horas são?
Assis, depois de vêr:
- Meia noite e meia hora.
E guardando o relógio no bolso, observa:
- Já estamos em amanhã.

Do Livro do Doutor Assis, do Pad'Zé

Hoje, finalmente, boas notícias ....

terça-feira, 14 de novembro de 2006
O aumento das taxas de juro e da carga fiscal e a estagnação do mercado de trabalho estão a limitar o crescimento do consumo privado em Portugal, indica hoje o Banco de Portugal no Boletim Económico de Outono da instituição.

O Banco de Portugal reviu em alta a previsão de crescimento dos preços este ano, antecipando agora uma taxa de inflação de 3,0 por cento, segundo o boletim económico de Outono, divulgado hoje.

"Deixem-nos trabalhar...!!!" versão "Deixem-nos reformar...!!!"

O ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, acusou hoje o PCP de pretender "pôr um pozinho na engrenagem para que a reforma [da Administração Pública] não se faça".

Citação

É grande miséria não ter bastante inteligência para falar bem, nem bastante juízo para se calar. Eis o princípio de toda a impertinência. Dizer de uma coisa, modestamente, que é boa ou que é má, e as razões por que assim é, requer bom senso e expressão; é um problema. É mais cómodo pronunciar, em tom decisivo, não importa se prova aquilo que afirma, que ela é execrável ou que é miraculosa.

Jean de La Bruyére, in 'Os Caracteres'

Afinal são dois mamarrachos...

segunda-feira, 13 de novembro de 2006


Há dias, falou-se na intenção de ser construido um pomposamente designado edifício-âncora, em Guimarães, a propósito da "oferta" do governo de ser a Capital Europeia da Cultura 2012.

Mas como isto do pedir e do gostar, tudo vai do começar, a coisa, afinal, não se ficou por ali: agora Guimarães reivindica, não um, mas dois mamarrachos, perdão, edifícios-âncora ...!!!

A construção de um centro de arte contemporânea como edifício-âncora do evento, de uma casa da memória da cidade e de um museu dedicado à obra do artista plástico José de Guimarães são as principais apostas de Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012.

Enquanto isto:

As verbas destinadas às instituições de ensino superior no Orçamento de Estado de 2007 não chegam para pagar os salários em metade das 14 universidades e cinco dos 15 institutos politécnicos públicos.

Dá a impressão que se "quebraram as amarras" ...

Debandada

Concretizando a ideia - aliás, a única ideia - que defenderam durante a campanha, os democratas, que ganharam o controlo do Congresso norte-americano, disseram hoje que vão trabalhar uma retirada gradual das tropas americanas do Iraque, a começar dentro de quatro a seis meses.

Pela pressa e pelos prazos, pode parecer uma debandada geral ...

Unanimidade e coesão

domingo, 12 de novembro de 2006

Aqui está um exemplo claro de unanimidade e coesão.
Uma manjedoura farta é mais que razão para que não haja ninguém que não ataque a ração. Pelo menos enquanto a "gamela" der para todos.
Depois, é possível que a unanimidade e a coesão vão "às malvas" ...

A mesma moeda ...

sábado, 11 de novembro de 2006

Verso
Quem se mete com o PS, leva.

Anverso
Se julgam que intimidam os socialistas e impressionam o seu Governo, desenganem-se. Vêm bater à porta errada. Este partido já viu muita coisa e nunca se deixou intimidar.

Desta feita ...

.. houve um pouco (mas pouco...) mais de grevistas. Exactamente (comme d'habitude ...) 14, 07%.

Ou seja, dito em numero, 103.804,8 pessoas. Novamente houve uma pessoa dividia entre trabalhar em prol do governo ou fazer greve em sua defesa ...

E as festas de garagem ...

... à luz de A Whiter Shade Of Pale...?

Procol Harum

Já só lá vai ...

... With a little help from my friends

Joe Cocker

Cada vez há mais ...

Paranoid


Black Sabbath - (live at Ozzfest - 2001)

Só pode ter sido ...

sexta-feira, 10 de novembro de 2006
A televisão "deu" o primeiro ministro a discursar no congresso do PS.

Só pode ter sido truque da televisão, senão a que propósito é que o primeiro ministro ia discursar num congresso partidário?

Não vá alguém não saber


Começa hoje o congresso do PS, em Santarém, terra da Feira Nacional da Agricultura.

Por falar nisso ...

... alguém sabe se o Presidente Cavaco Silva ainda existe?

É um verdadeiro privilégio ser "...... e mal pago" ...!!!

O primeiro dia de greve da Função Pública foi agitado por um estudo que o Ministério das Finanças encomendou e esconde desde Maio porque desfaz a ideia que paga bem.

O estudo - denominado Estudo Comparativo de Sistemas de Remuneração entre os Sectores Público e Privado - tem a data de Maio de 2006 e foi feito pela Capgemini, uma das cinco maiores empresas mundiais de consultoria, com 63 mil colaboradores em todo o Mundo e escritórios em Portugal, mas como vai contra a ideia de os funcionários públicos serem bem pagos em relação aos que trabalham no privado foi escondido pelo Governo.

Nos 20 casos, as diferenças vão desde menos 1,5 por cento para os engenheiros de sistemas, aos sempre negativos 10% nos enfermeiros, 48% nos analistas de laboratório e 77% nos directores-gerais. Os montantes remuneratórios não foram avançados, embora segundo a tabela salarial em vigor no corrente ano se registe que os especialistas de informática auferem de 1287,53 euros ilíquidos (estagiário com licenciatura) a um máximo de 2897,28 euros (especialista de grau 3, nível 2), que aliás equivale ao máximo da tabela de regime geral, onde se encontram os assessores principais.

"Imagens reais"

O país verdadeiro e o que imaginamos. No Blasfémias.

As castanhas em festa


Neste tempo frio (???), sabem bem castanhas assadas. Principalmente se (ainda) forem castanhas portuguesas de centenários castanheiros portugueses.

Pois bem. Se gosta de enfarruscar as mãos a descascar castanhas assadas no lume, como manda a regra, vá este fim de semana a Marvão.

Lá poderá comê-las "à fartazana" e "empurrar" tudo "para baixo" com umas canecas de vinho, enquanto desfruta de uma terra acolhedora e absolutamente genuina, paisagens a perder de vista e um ar puro absolutamente garantido. Tudo isto "à borla" ...!!!

No final, bem "quentinho", esfregue as mãos uma na outra, e sinta-se reconfortado ...

Ao balcão da Pharmácia


A ideia prevalecente de que os líderes carismáticos exercem efeitos positivos superiores aos produzidos pelos não carismáticos tem sido negada por diversos exemplos históricos.

Muitos líderes carismáticos foram autênticos tiranos e provocaram grandes danos - embora outros tenham produzido o efeito oposto. As razões dos malefícios não são claras, mas dois elementos são recorrentes: o terror que os líderes inspiraram à sua volta e/ou a obediência cega a que os seus seguidores se lhes entregaram.

Miguel Pina e Cunha, Director de MBA da Universidade Nova de Lisboa
hoje, no Diário de Notícias

Espantoso


Na senda de Constâncio, o governo apura percentagens de greves até às centésimas.

Hoje, o governo, depois de ter inicialmente sustentado que a adesão à greve era apenas de 5,11%, acaba por concluir que fizeram greve 11,74% dos funcionários públicos.

Assim sendo, e tendo em conta o número de pesoas que trabalham na administração pública publicitado pelo mesmo governo, temos que hoje fizeram greve 88.616,6767 funcionários, nem mais nem menos.

Ou seja 88.616 funcionários aderiram "por inteiro".
Houve um, porém que aderiu à greve em apenas 0,6767% da sua pessoa; o restante dela trabalhou ...!!!

Com o "rigor" me enganas ...

quinta-feira, 9 de novembro de 2006
Depois do primeiro ministro ter sido eleito secretário geral do PS com uma votação tipo "cortina de ferro" ou "Lukachenko's style" (97,99999999999999%), agora o ministério das finanças diz que a adesão à greve de hoje é de 5,11%.

Note-se a precisão - 5, 11%!. Aliás este tipo de precisão é agora designado de " precisão deficitária" ou "precisão vitoriana", por homenagem ao homem que "estimou" um défice futuro com a precisão das centésimas.
Ora aderiram à greve precisamente 5,11% dos funcionários públicos...!!! Nem mais - 5,12% - nem menos - 5, 10%! Exactamente 5,11%...!!!

Alguém acredita que os números da adesão a uma greve possam ser dados com este "centimétrico" rigor ...???

Mas alguém estava à espera de que eles dissessem o contrário...???!!!

Os assessores do primeiro-ministro ouvidos hoje pela Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) negaram qualquer tentativa de intervenção na informação da RTP.

Porém, é de estranhar o tom "soft", contrastando com a já habitual arrogância, quer das declarações dos visados, quer do governo e do PS...!!!

Huuuummmm ... parece mesmo que há "mouro na costa"...

"Conversa para boi ouvir" ...

Foi aprovado na generalidade o projecto de lei do CDS-PP que determina a publicitação das dívidas do Estado aos seus fornecedores.
O PS absteve-se, afirmando que pretende introduzir algumas "ajustamentos" em sede de discussão na especialidade.

É evidente que numa altura de certa crispação fica bem ao PS, a prósito da defesa da ética, da transparência e da honestidade, "forçar" o governo a mostar públicamente a lista das suas dívidas (ou, mais expressivamente, dos seus "calotes").

Porém isto não vai ser mais do que, como dizem os brasileiros, "conversa para boi ouvir".

Se bem se conhece o PS e quem nele manda, as alterações que ele vai pretender introduzir, na discussão na especialidade - e que decerto introduzirá "à força", por força da sua maioria, isto se a lei alguma vez chegar a ver a "luz do dia" - irão, decerto, desvirtuar completamente as intenções da lei.
É evidente que o PS haverá de "proteger" o seu governo, evitando que este se exponha a situações de eventual desgaste.

Por outro lado, uma tal divulgação - e isto vale tanto para as dívidas do Estado como para as dívidas dos particulares ao fisco e à segurança social que já são divulgadas - só teria algum efeito - e, desde logo, o efeito desonroso da "censura social" - se o Estado fosse honrado e pessoa de bem. Mas pelo que dele se conhece, não tem sido uma coisa nem outra.

Então qual o efeito da publicação das suas dívidas? Nenhum.
Apenas se vislumbra um pouco mais de "folclore" e de imputação de responsabilidades a anteriores governos ...
E para os credores tal publicação apenas servirá para lhes lembrar mágoas antigas e para que toda a gente fique a saber que eles são uns valentíssimos "patos" que se meteram com o Estado ... De dinheiro, nada ...

No final de tudo isto, o governo vê legitimada a sua ideia peregrina de exposição no pelourinho de quem lhe deve e há-de, mais uma vez, sair-se airosamente da história, de preferência "salpicando" terceiros com a lama...

Para que isto funcionasse era preciso que "a mulher de César" não se limitasse a parecer ser honesta ...

As "Chavez" do problema ...

Será que em 2008 ou até em 2009 vamos também ter por cá uma medida "chavista" ?

É que Chávez decretou que em nenhum edifício público do país devem ser usadas decorações contendo imagens ou bonecos do Pai Natal, pinheiros enfeitados e até botas ou meias vermelhas.

Mas para além disso - e apenas a pouco mais de um mês das eleições presidenciais - Chávez antecipou, e logo no passado dia 1 de Novembro, o equivalente a três subsídios natalícios a cerca de um milhão de funcionários públicos e reformados, provocando de imediato uma enorme vaga de compras antecipadas no país - e consequente disparo dos valores de consumo privado.

Depois da Finlândia e da Suécia será a Venezuela o próximo "modelo" a seguir pelo governo?

Hoje, nada de relevante ...

Ontem, porém, os democratas ganharam também a maioria do Senado. Aproximam-se tempos difíceis, já nem tanto para Bush, mas para a América ...

(O tom das declarações vitoriosas e as intenções da Senhora Pelosi, que presidirá à Câmara dos Representantes, parecem revelar claramente que a dita senhora tem "pelosi na venta" ...)

Diz o rôto ao nu ...

Comentário do ministro das finanças à reacção de João Salgueiro às "novidades" anunciadas pelo primeiro ministro sobre a tributação da banca:

São declarações infelizes, que revelam alguma arrogância, diria mesmo, presporrência.

Reajustamentos pós-eleitorais

quarta-feira, 8 de novembro de 2006
Efeito dos resultados eleitorais na América: O secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, demitiu-se do cargo.

Uma lufada de ar (fresco ou não ...)

Se não fosse Jardim a dizer "qualquer coisinha" sobre o orçamento do Estado e o que nele está implícito e explícito, o pós-discurso parlamentar-primeiroministerial tinha sido uma completa sinecura de silêncio e lassidão.

A oposição de direita - que, tal como o Yeti, dizem que existe mas nunca ninguém a viu - tratamudeou umas "coisecas", geneu uns comentáriozecos menores, e "bonda" ....!!! Acabou-se-lhe o pio ...!!!

Valha-nos Jardim que no seu estilo "expressivo" e "incisivo" - e também divertido, que tristezas não pagam dívidas - não deixou os seus créditos por mãos alheias e logo após a primeiroministerial "botadura da palavra" classificou o dito como mal educado, mentiroso e doentio, rematando: É doentio porque o secretário-geral do PS revela uma obsessão fixada na Madeira e na minha pessoa que merece uma atenta e cuidada análise clínica.

Vamos lá ver o resultado do "choque" de duas "cabeças duras" ...

Checks and balances


Os Democratas americanos registaram uma vitória nas eleições para a Câmara dos Representantes, obtendo a maioria absoluta. Desde 1994 que não a tinham. No Senado, as coisas estão também a corre-lhes de feição.

O funcionamento do sistema politica americano é assás sui generis, tão sui generis como o são os próprios americanos.

Não estando ainda apurados os resultados para o Senado, certo é, porém, que o presidente Bush deixou de ter "campo livre" para as suas políticas. O que não quer dizer que passe agora a ter o "campo minado". O sistema funciona mais por equilíbrios que por rupturas (o que não quer dizer que, por vezes, as não haja).
Porém este revés vai obrigar o Presdiente, nestes dois últimos anos de mandato, a abandonar um pouco o seu estilo cow-boy, levando-o à necessidade de soluções consensualizadas nos Representantes, o que pode ser vantajoso.

Mas as ideias e pensamentos que perpassam, por vezes, pelas cabecinhas dos Democratas americanos, podem não augurar nada de bom....

Envelhecer (a doença) como o vinho do Porto ...

Até ao final de 2007, os hospitais vão organizar as consultas em função da gravidade de cada caso. Quanto aos doentes, passam a saber o tempo que terão de esperar para conseguir uma consulta ou uma cirurgia e o número de inscritos à sua frente.

Esta medida destina-se a fazer com que quem só ainda está num estádio PD ("pouco doente"), adoeça um pouco mais e só seja observado pelo médico quando já estiver no estádio MMD (mesmo muito doente) ou até no COPPAC (com os pés para a cova).

Assim rentabilizam-se os meios, sendo que, deste modo, as consultas permitem observar e diagnosticar de uma vez só uma enorme quantidade de doenças por doente, quando, de outro modo, apenas seriam diagnosticadas uma ou, no máximo, duas doenças por consulta.

"Os fins justificam os meios..."

Ao que dizem as últimas, anda para aí a ser dinamizado um "lobby" contra a corrupção.

O lobby irá recorrer a todos os meios para lutar contra a corrupção, incluindo o pagamento de "luvas" ...

A lei das (perseguições) compensações ...

Para "compensar" a "perseguição" aos reformados, funcionários públicos, magistrados e demais "privilegiados", o primeiro ministro "promete" também perseguir um bocadinho os bancos, esse malandros que cobram juros ...

(Ora ...!!!... se ainda fosse pelas comissões de manutenção de conta ou de guarda de títulos ...!!!)

Com validação, vale tudo ...

terça-feira, 7 de novembro de 2006
A legalidade dos contratos públicos designadamente ao nível do estrito cumprimento dos requisitos e formalidades procedimentais, designadamente no que toca à forma de selecção dos concorrentes, em regra por concurso público (por uma questão de transparência), tem constituído sempre uma constante preocupação da administração, e o seu incumprimento, um motivo de censura e reprovação pelos tribunais.

Ora, foi preciso um engenheiro sanitário ter-se debruçado sobre o assunto para este ser definitivamente ultrapassado e resolvido de forma expedita.

Hoje, no parlamento, ao ser criticado pelo CDS-PP pela celebração de um contrato de prestação de serviços para a realização de um estudo, conducente à aplicação de portagens em alguma SCUT mas não noutras, com uma empresa de que havia sido sócio gerente um assesor do gabinete do secretário de estado do ministro que pediia a dito estudo, e com a qual esta já tinha em tempo tido diversos contactos contratuais, o primeiro ministro revoltou-se, alegando que tudo tinha sido feito nos devidos termos e que o estudo até tinha sido validado por uma consultora internacional, a Price Waterhouse. Por isso não havia ilegalidade nenhuma ...!!!

Alegou ainda que o anterior giverno também tinha adjudicado estudos sem concurso.
Ora se o anterior governo violou a lei, porque razão é que logo ele é que deve cumpri-la ...???

Pois aqui está o método a seguir quando os departamentos da administração pública quiserem entregar determinado consurso ao primo da senhora do quisque que é concunhada da tia do Reboredo: escolhem o dito "primo", depois chamam a Price Waterhouse para "validar" a escolha, e o problema da legaliadede fica logo resolvido ...

Freitas do Amaral pode não ter sido grande ministro dos negócios estrangeiros. Mas a sua presença no governo talvez permitisse que enormidades destas pudessem deixar de ser feitas - ou pelo mesnos de ser ditas - pelo primeiro ministro.
Mas também é verdade que, com a sua formação sanitária, não se lhe pode exigir que saiba direito ...

Já há alguém que nos defende ...

Na página oficial do governo, uma pequena mostra de pura propaganda, reza assim:

Tribunais mais libertos de processos
judiciais

2006-11-06

Ministério da Defesa Nacional

Plano de Descongestionamento dos Tribunais - Tribunais mais libertos de processos judiciais
No dia 1 de Novembro entrou em vigor o último diploma legal previsto no Plano de Acção para o Descongestionamento dos Tribunais, ficando assim integralmente cumprido este programa.

Ora, finalmente, haja alguém que discipline a justiça e tutele melhor os direitos de cada um, nem que seja ... o Ministério da Defesa Nacional ...!!!
Calcula-se porém que, não tendo capaciadade para abarcar todas as matérias, o dito ministério transfira a execução da Lei de Programação Militar e a tutela das forças armadas para o ministério da justiça.
Um pouco de disciplina militar não faz mal a ninguém ...!!!

A arca do Noé


Um subsídio de cem mil euros atribuído pelo responsável pela Agricultura do governo dos Açores, Noé Rodrigues, ao clube terceirense Lusitânia está a gerar polémica na região. O motivo alegado pelo governante para a concessão de tal apoio prendia-se com a divulgação dos produtos agrícolas açorianos no exterior. A decisão provocou, por um lado, o repúdio de agricultores e, por outro, a reclamação de igual tratamento por parte da mais emblemática colectividade desportiva regional, o Santa Clara, que é da ilha de São Miguel.

O objectivo de promoção da marca "Açores" foi o argumento invocado, mas não o que ficou consagrado por escrito na portaria que o regulamentou. No seu primeiro artigo, justifica-se que o apoio concedido é para fazer face às "dificuldades financeiras" do Lusitânia, que na realidade as tem.

Economia e pézinhos de lã


Para o ministro das finanças, a culpa da situção dos funcionários públicos que se queixaram da sua actual situação económica, deve-se pura e simplesmente ao facto da economia não crescer ...

O ministro ainda pensou culpar também a Guerra do Chá, mas achou que não valia a pena. A "falta de crescimento" foi suficiente para resolver a questão ...

Aguardente ...!!! Ouvi perfeitamente...!!!


A Entidade Reguladora para a Comunicação Social quer ouvir quinta-feira seis jornalistas da RTP e dois assessores do primeiro-ministro, no âmbito da denúncia feita pelo social-democrata Agostinho Branquinho sobre alegada manipulação do Governo nos noticiários da estação pública.

Quem é capaz de dizer já quais vão ser as conclusões e o resultado destas "audições"...???

Mais uma sessão de vacuidades genéricas e propaganda

segunda-feira, 6 de novembro de 2006
Na sessão de propaganda de hoje, no programa "prós e a favor", o ministro das finanças continua a perorar vacuidades e afirmações genéricas, sem indicar referenciais comparativos, para melhor passar o seu discurso demagógico e propagandístico ...

O maestro e o trio ...

O maestro e o "duo" ...

... que agora passa a "trio" ...


A Entrevista

Citação

"Qualquer aprendiz de decisor gosta hoje de se contrapor a Guterres. Mas começo a ter saudades de alguma ponderação nas decisões."

José Medeiros Ferreira

E lá em casa, também não...???

Os socialistas consideram a decisão do presidente da Câmara do Porto em cortar todos os subsídios pecuniários a fundo perdido atribuídos pela autarquia "arbitrária" e "autista".

E decisões do mesmo teor, tomadas pelo governo, também são "arbitrárias" e "autistas"?
Conforme. Se o governo for do PS, evidentemente, não ...!!!

Uma desgraça completa ...

Os portugueses que em 2001 ganhavam o salário mínimo nacional conseguiam adquirir mais bens e serviços do que os que hoje também recebem como retribuição esse salário.

A degradação do salário mínimo nacional é também visível quando se compara a sua evolução com o que se passou em Espanha.

Medido não no seu valor nominal, mas de forma a comparar o poder de compra, o salário mínimo de Portugal é não só inferior ao de todos os países da União Europeia (UE) a 15 onde existe, mas também ao de Malta e da Eslovénia.